domingo, 5 de dezembro de 2010

Flashplayer 10.2 beta com aceleração via hardware

O grande destaque desta versão 10.2 é a utilização de aceleração via hardware, pela primeira vez no Linux! Até que enfim que a Adobe não se esqueceu do pinguim :) Mas só a versão 32bit é que tem aceleração via hardware.

Por isso fiz este "How-to" de como instalar o flashplayer 10.2 beta com aceleração via hardware no Ubuntu 10.04, 10.10, nas versões 32bits e 64bits.

Antes de começar, você tem que ter uma GeForce 8 series ou superior com drives proprietários da Nvidia.
"VDPAU (Video Decode and Presentation API for Unix) is an open source library (libvdpau) and API designed by NVIDIA originally for its GeForce 8 series and later GPU hardware"
Sem esses requisitos mínimos, nada feito.

Primeiro remova o flashplayer. Use o synaptic ou execute o comando...

sudo apt-get remove flashplugin-installer


Nota: Caso você tenha instalado o "transitional package" no Ubuntu 10.04 LTS então remova o flashplugin-nonfree.

sudo apt-get remove flashplugin-nonfree


Abra o Firefox no Youtube (por exemplo) e certifique-se que o flash já não está instalado. Se você instalou o flash sem a ajuda do repositório, poderá existir alguma pasta de plugins que ainda tem um libflashplayer.so antigo. Por isso é importante verificar se o plugin foi realmente removido para continuar com este "How-to".

Depois de verificar que o flash foi removido, abra um terminal e crie uma pasta com o nome de FLASH.
Nota: Este passo não é obrigatório, mas depois fica mais fácil apagar os arquivos que já não serão mais necessários ;)

mkdir FLASH


Mude para dentro da pasta FLASH.

cd FLASH


Agora vamos baixar o flashplayer 10.2-beta, extrair o arquivo tar.gz.

Baixando o Flash.
Nota: Para baixar o pacote com o comando que está em baixo você tem que ler e concordar com os termos do Flash Player 10.2 License, Adobe.com Terms of Use e Adobe Online Privacy Policy.


wget http://download.macromedia.com/pub/labs/flashplayer10/flashplayer10_2_p2_32bit_linux_111710.tar.gz


tar -xzf flashplayer10_2_p2_32bit_linux_111710.tar.gz


Para ser mais fácil de identificar o libflashplayer.so 10.2 beta vamos mudar o nome do arquivo para libflashplayer-10.2-beta.so.

mv libflashplayer.so libflashplayer-10.2-beta.so


Agora copiamos o libflashplayer-10.2-beta.so para a pasta de plugins do Firefox.

sudo cp libflashplayer-10.2-beta.so /usr/lib/firefox/plugins/


Se o seu sistema é 32bits instale o pacote libvdpau1 com o seguinte comando...

sudo apt-get install libvdpau1


E pronto! O "How-to" para 32bits acaba aqui :) Teste o flashplayer 10.2 beta no seu browser :)
Mas se o seu sistema é 64bits continue seguindo os passos em baixo...

Para que o flashplayer de 32bits funcione numa sistema 64bits vamos precisar do nspluginwrapper.
Nota:Como o sistema é 64bit, os pacotes nspluginwrapper e ia32-libs já devem ter sido instalados pelo flashplugin-installer que está no repositório.
Vamos agora usar o nspluginwrapper...

nspluginwrapper -a -n -i libflashplayer-10.2-beta.so


Se tudo correr como previsto o plugin fica instalado na sua pasta pessoal em /home/USUARIO/.mozilla/plugins
Nota:Se você usa o Chrome ou outro browser, eles também usam a pasta de plugins do Firefox :)

Agora temos de instalar o libvdpau1. Mas um apt-get install libvdpau1 não resolve! Porque isso vai instalar o libvdpau1 de 64bit. E o flashplayer 10.2 beta é 32bit. Para ele funcionar, precisa das libs de 32bits :P
Vamos ter de baixar manualmente o pacote libvdpau1 (32bits) do repositório, e "abrir" o pacote deb.
Nota: Para Ubuntu 10.04 LTS substitua os dois comandos em baixo pelos dois seguintes que estão em negrito:

Para Ubuntu 10.10...

wget http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu/pool/main/libv/libvdpau/libvdpau1_0.4-5ubuntu1_i386.deb

ar vx libvdpau1_0.4-5ubuntu1_i386.deb


Para Ubuntu 10.04 LTS...

wget http://br.archive.ubuntu.com/ubuntu/pool/main/libv/libvdpau/libvdpau1_0.3-2build1_i386.deb

ar vx libvdpau1_0.3-2build1_i386.deb


Agora vamos extrair o data.tar.gz e copiar as libs para a pasta /usr/lib32/ do nosso sistema 64bits.

tar -xzf data.tar.gz

sudo cp -P usr/lib/vdpau/libvdpau_trace* /usr/lib32/vdpau/
sudo cp -P usr/lib/libvdpau* /usr/lib32/


Pode apagar agora a pasta FLASH porque não precisamos mais dela.
Agora abra um vídeo no Youtube em 1080p com tela cheia, e teste a aceleração via hardware no seu Ubuntu 64bits :)

Para reverter todo este processo, e remover o flashplayer 10.2 beta, basta executar os seguintes comandos numa máquina 64bits...

nspluginwrapper -r /home/$USER/.mozilla/plugins/npwrapper.libflashplayer-10.2-beta.so
cd /usr/lib/firefox/plugins
sudo rm libflashplayer-10.2-beta.so
sudo apt-get install flashplugin-installer


E para uma máquina 32bits...

cd /usr/lib/firefox/plugins
sudo rm libflashplayer-10.2-beta.so
sudo apt-get install flashplugin-installer

Considerações finais...
Aqui no meu "PC" o uso do CPU baixou consideravelmente com o flash 10.2 beta. No flash 10.1 um vídeo no Youtube em 1080p com tela cheia o CPU ficava a 90-95%.
Com o 10.2 beta ele fica a 20-30%

No painel da Nvidia dá para ver que o clock aumenta de 169MHz para 400 MHz quando um vídeo em 1080p começa a "correr" no flashplayer 10.2 beta.

Mas ainda tem alguns bugs. Quando tento "reproduzir" o vídeo novamente a imagem para. Tenho de dar um f5 no browser para o vídeo voltar a funcionar.
Testei no Ubuntu 10.04 LTS 64bit, Nvidia com driver proprietário versão 195.36.24.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Instalar o Unity no Ubuntu 10.10

Depois da "notícia" que o Unity seria utilizado já na próxima versão do Ubuntu (11.04), a curiosidade e especulação em volta do Unity aumentou. Por isso, nada melhor que testar o Unity. :P


Importante: esta dica é só para o Ubuntu 10.10.
Para istalar o Unity no Ubuntu 10.10, é só ir ao "Ubuntu Software Center", pesquisar por "ubuntu-netbook", e depois premir o botão "instalar".

Super fácil :)
Mais fácil que isto, só mesmo um comando na consola : )

apt-get install ubuntu-netbook

Depois é só reiniciar, e no ecrã de "Login" escolha a sessão "Ubuntu Netbook Edition".



Se quiser testar no Ubuntu 10.04 LTS, é necessário adicionar um repositório. Veja como fazer aqui!
O Unity ainda está em desenvolvimento, por isso você vai notar alguma instabilidade. Outro observação importante, é que ele ainda não funciona se você estiver utilizando o Ubuntu no Virtualbox mesmo que instale o guest additions (parece ser uma incompatibilidade entre o Virtualbox e o Compiz que também é utilizado pelo Unity).
Também já foi reportado algumas incompatibilidades com as gráficas da AMD (ATI).
O Unity também tem requisitos mínimos para ser utilizado. Máquinas mais antigas poderão ter "dificuldades" com o Unity.
Para mais informações sobre requisitos mínimos consulte a seguinte página. https://wiki.ubuntu.com/DesktopExperienceTeam/UnityHardwareRequirements

Editado em 13 de Outubro de 2011 
Nota: Se você usa Ubuntu 11.04 e o Unity não arranca (só funciona o Unity2D), é porque a sua placa gráfica não é suportada. Veja qual os requisitos mínimos no link em cima.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

OpenShot 1.2.2

Nova versão do Openshot 1.2.2 já está disponível no repositório do Ubuntu.
É incrível a evolução deste programa. Se a ideia de utilizar o "Inkscape" como gerador de títulos do Openshot era excelente, a ideia de utilizar o Blender para criar títulos 3D no OpenShot 1.2 é brilhante!
Mas você não precisa saber mexer no Blender (você nem vê o programa). O Openshot já vem com um conjunto de animações predefinidas, onde você só tem de alterar o texto do título numa caixa de dialogo. Todo o trabalho pesado é feito pelo OpenShot através da excelente iteração GTK + Blender + Python.
Para ter títulos em 3D nos seus filmes, é necessário ter instalado o Blender 2.5 (ou superior) que ainda não está disponível no repositório do Ubuntu. Você tem de baixar a versão Beta do site do Blender, e depois no Openshot ir até ao menu Editar > Preferências, e mudar o caminho para o "Executável Blender" na aba Geral.
Na próxima versão do Ubuntu 10.10 estará tudo funcional de "origem" :)

As novidades mais interessantes:
  • Gestor de perfis (para além da lista infindável de perfis, agora já pode criar os seus perfis personalizados)
  • Possibilidade de importar novas transições (e "mask's")
  • Gerador de títulos 3D (Super Fácil e intuitivo de usar)
  • Melhoria significativa da interface. (agora os vídeos, sons e imagens são arrastados na "timeline" de uma forma mais "suave")
Sem duvida alguma que atualmente é um dos melhores (ou mesmo o melhor) editor de vídeos para o Linux. Fácil de utilizar, estável, e com excelentes potencialidades.
É fantástico como um projeto relativamente "recente" como o OpenShot, conseguiu criar um software de excelente qualidade e com inúmeras possibilidades.




Veja mais novidades desta nova versão na página oficial do projeto.
http://www.openshotvideo.com/2010/09/its-about-time-openshot-121-released.html

OpenShot Rules!!! Thank You Jonathan Thomas, and all the people in the OpenShot project! Great work! :)

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Data de lançamento do filme Sintel


A Blender Foundation já divulgou a data de lançamento online do seu novo filme open source intitulado "Sintel".
No dia 30 de Setembro já poderemos ver o resultado do trabalho realizado no Durian Open Movie Project.

Depois dos filmes "Elephant’s Dream" e "Big Buck Bunny", a expectativa da comunidade em relação ao novo filme "Sintel" é grande.
Eu também estou curioso para ver o resultado, depois de ter acompanhado o desenvolvimento do filme no blog oficial durante os últimos meses.

E como tem sido habitual, com o lançamento do filme, também é lançado uma nova versão do Blender (versão estável).

http://durian.blender.org/

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Ubuntu "Getting physical"

Trata-se apenas de um prototipo que utiliza tecnologias de reconhecimento facial para mover os elementos da interface.

A interface adapta-se de acordo com a posição do utilizador em relação ao computador.
Por exemplo, se o utilizador afastar-se ligeiramente para trás, a janela que está "ativa" muda para o modo fullscreen.

Veja o vídeo:



Para mais informações consulte a página da "Canonical Design".

http://design.canonical.com/2010/09/getting-physical/

sábado, 18 de setembro de 2010

Mageia fork do Mandriva

Mageia uma nova distribuição Linux.

Com a liquidação da Edge-IT que é a empresa responsável pelo Mandriva Linux, a maioria dos empregados que trabalhavam na empresa para desenvolver a distribuição foi despedida.

E agora? Como fica o futuro dos utilizadores do "Mandriva Linux"?
A solução foi criar um fork. E assim nasceu a uma nova distribuição Linux com o nome de Mageia.
Mageia será desenvolvida por ex-empregados e contribuidores do "antigo" Mandriva.

Se existia alguma luz ao fundo do túnel para tentar salvar a distribuição comercial Mandriva, acho que essa luz apagou-se de vez com esse fork. Porque o mais certo é os contribuidores e os usuários do Mandriva migrarem "em massa" para o projecto comunitário Mageia.
"Nós não confiamos mais nos planos da Mandriva SA e não acreditamos que a empresa (ou qualquer outra empresa) seja um porto seguro para tal projeto." Essa frase resume tudo.

Eu ainda não entendi o que eles (empresa) vão tentar salvar agora, se a principal "riqueza" da empresa, seus colaboradores, estão a mudar de "malas e bagagem" para o novo projeto comunitário Mageia.

Adeus Mandriva SA???
Seja bem vinda Mageia :)

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Fazer um vídeo Screensaver

Como colocar um Vídeo como protecção de tela (screensaver)?
Esta dica é para o Ubuntu mas deve ser compatível com todas a distribuições que utilizam o Gnome 2.3

Para começar, vamos precisar do mplayer. Se ainda não tem o mplayer instalado no seu sistema, abra um terminal e use o seguinte comando:

sudo apt-get install mplayer

Agora vamos criar um arquivo video.desktop dentro da pasta /usr/share/applications/screensavers/.

Novamente na consola.

sudo touch /usr/share/applications/screensavers/video.desktop

Abra o arquivo video.desktop no editor de texto gedit, com o seguinte comando:

sudo gedit /usr/share/applications/screensavers/video.desktop

Com o editor de texto aberto, copie para o arquivo o seguinte:

[Desktop Entry]
Encoding=UTF-8
Name=Video
Comment=Video
TryExec=video.sh
Exec=video.sh
StartupNotify=false
Terminal=false
Type=Application
Categories=Screensaver;
OnlyShowIn=GNOME;

Agora vamos criar um arquivo video.sh na pasta /usr/lib/gnome-screensaver/gnome-screensaver, que será um script responsável por executar o mplayer.

sudo touch /usr/lib/gnome-screensaver/gnome-screensaver/video.sh

Vamos abrir o video.sh com o gedit:

sudo gedit /usr/lib/gnome-screensaver/gnome-screensaver/video.sh

Copie para dentro do arquivo o seguinte:

#!/bin/bash

#path video
VIDEO=/home/tuxmind/video-screensaver/arquivo-de-video.ogv

exec mplayer -nosound -nolirc -wid $XSCREENSAVER_WINDOW -nostop-xscreensaver -fs -really-quiet "$VIDEO" -loop 0


Altere a variável VIDEO com o caminho (path) para o seu vídeo.
/home/tuxmind/video-screensaver/arquivo-de-video.ogv é um exemplo :P
Dica: Use um link simbólico para você poder mudar o vídeo, sem ter de editar o scrip, que precisa de privilégios administrativos.

Guarde as alterações, feche o editor de texto, e torne o arquivo executável com o seguinte comando:

sudo chmod 755 /usr/lib/gnome-screensaver/gnome-screensaver/video.sh

E pronto! Agora vá até sistema > Preferências > Protecção de tela (ou ecrã). Procure na lista de sceensaver disponíveis o "Video". É só pré visualizar o resultado final :)


O truque desta dica é a variável $XSCREENSAVER_WINDOW, que diz ao mplayer qual a window ID do secreensaver.
Há uns tempos atrás tentei fazer isto com o mplayer, mas acabei desistindo porque não consegui passar o parâmetro -wid correcto para o mplayer. Tentei de tudo!
Passado tanto tempo "descubro" a variável $XSCREENSAVER_WINDOW na FAQ do gnome-screensaver. Era a peça que faltava. :)

http://live.gnome.org/GnomeScreensaver/FrequentlyAskedQuestions#Can_I_use_xscreensaver_.22hacks.22_with_gnome-screensaver.3F

Moral da história... leiam sempre a FAQ :P

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Marca de água no ffmpeg 0.6 Ubuntu 10.04

Como devem saber o filtro vhook que permitia colocar marcas de água (watermark) sobre vídeos foi descontinuado.
Para o substituir, surgiu o libavfilter que contém um conjunto de filtros para serem aplicados nos vídeos.
Mas o projecto ainda está em fase integração com o ffmpeg. A versão "completa" do libavfilter ainda não está na versão final do ffmpeg.

Se você quiser usar todos os filtros do libavfilter terá que utilizar o "libavfilter repository"

svn checkout svn://svn.ffmpeg.org/soc/libavfilter

Para mais informações:
http://ffmpeg.org/libavfilter.html

Embora no site do ffmpeg somos alertados para uma possível instabilidade do libavfilter (porque ainda se encontra em estado inacabado) o certo é que eu instalei, e até agora não tive problemas em adicionar marcas de água nos vídeos. Funciona tão bem como no antigo vhook.

Então vamos começar.

Adicionando repositórios adicionas. (caso você ainda não tenha)

sudo software-properties-gtk -e universe

sudo software-properties-gtk -e multiverse

sudo apt-get update

Remover o ffmpeg libx264 libvpx do repositório caso você já os tenha instalados.

sudo apt-get purge -y ffmpeg x264 libx264-dev libvpx

sudo apt-get update

Instalando as dependências:

sudo apt-get install -y build-essential subversion checkinstall yasm texi2html libfaac-dev libfaad-dev libmp3lame-dev libtheora-dev libxvidcore-dev libsdl1.2-dev libvorbis-dev libopencore-amrwb-dev libopencore-amrnb-dev git-core libx11-dev libxfixes-dev zlib1g-dev

Vamos para pasta do utilizador.

cd ~

E criamos uma pasta source-ffmpeg, e mudamos para essa pasta.

mkdir source-ffmpeg
cd source-ffmpeg

Vamos começar com o x264(opcional):
Execute os seguintes comandos:

git clone git://git.videolan.org/x264.git

cd x264

./configure

make

sudo checkinstall --fstrans=no --install=yes --pkgname=x264 --pkgversion "2:0.`grep X264_BUILD x264.h -m1 | cut -d' ' -f3`.`git rev-list HEAD | wc -l`+git`git rev-list HEAD -n 1 | head -c 7`" --default

cd ..

Agora o libvpx (opcional):

git clone git://review.webmproject.org/libvpx.git

cd libvpx

./configure --disable-install-docs --enable-vp8

make

sudo checkinstall --fstrans=no --install=yes --pkgname=libvpx --pkgversion "0.9.1-`date +%Y%m%d%H%M`-git" --default

cd ..

Finalmente o "libavfilter/ffmpeg":

svn co svn://svn.ffmpeg.org/soc/libavfilter

cd libavfilter

Agora vamos rodar o checkout.sh (e um script que está dentro da pasta libavfilter) que vai aplicar os pachs, e preparar o ffmpeg para "receber" o libvfilter.


./checkout.sh

Mudamos agora para a pasta do ffmpeg:

cd ffmpeg

./configure --enable-gpl --enable-nonfree --enable-pthreads --enable-libfaac --enable-libfaac --enable-libmp3lame --enable-libtheora --enable-libx264 --enable-libxvid --enable-avfilter --enable-libopencore-amrnb --enable-libopencore-amrwb --enable-libvorbis --enable-x11grab --enable-version3 --enable-libvpx --enable-filter=movie --enable-avfilter

make

sudo checkinstall --fstrans=no --install=yes --pkgname=ffmpeg --pkgversion "4:SVN-r`LANG=C svn info | awk '/Revision/ { print $NF }'`" --default

E pronto! Para começar dê uma olhada em todos os filtros disponíveis para o ffmpeg.

ffmpeg -filters

Filters:
aspect Set the frame aspect ratio.
crop Crop the input video to x:y:width:height.
drawbox (null)
fade (null)
fifo (null)
format Convert the input video to one of the specified pixel formats.
fps (null)
hflip Horizontally flip the input video.
negate (null)
noformat Force libavfilter not to use any of the specified pixel formats for the input to the next filter.
null Pass the source unchanged to the output.
overlay Overlay a video source on top of the input.
pad Pad input image to width:height[:x:y[:color]] (default x and y: 0, default color: black).
pixdesctest Test pixel format definitions.
pixelaspect Set the pixel aspect ratio.
rotate (null)
scale Scale the input video to width:height size and/or convert the image format.
setpts (null)
slicify Pass the images of input video on to next video filter as multiple slices.
split (null)
transpose (null)
unsharp Sharpen or blur the input video.
vflip Flip the input video vertically.
buffer Buffer video frames, and make them accessible to the filterchain.
color Provide an uniformly colored input, syntax is: [color[:size[:rate]]]
movie (null)
nullsrc Null video source, never return images.
nullsink Do absolutely nothing with the input video.

E agora um teste:

ffmpeg -i in.mp4 -sameq -vf "movie=0:png:logo.png [wm];[in][wm] overlay=0:0:1[out]" out.mp4

No comando em cima a imagem que utilizar como marca de água tem o nome de logo.png, e o tamanho da imagem terá de ser igual ao tamanho do frame do seu vídeo. Use o Gimp para criar a imagem e posicionar a sua marca de água ou logótipo, ou alterar a transparência. :)

IMPORTANTE: Como estamos utilizando sempre a ultima "versão" disponível do ffmpeg, libvpx, x264, etc... poderá ocorrer algum erro durante a execução do comando make. Você terá de ter paciência e esperar que o desenvolvedores" corrijam eventuais problemas das últimas revisões que estão no git ou svn.
Se você não pode esperar, a solução é usar uma revisão estável que não tenha dado problemas.
Esta é a versão que estou a usar com libavfilter: FFmpeg version SVN-r24819

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Bandeira ao vento em 3D no Blender

Nas minhas "navegações" pelo Youtube, encontrei um excelente tutorial para fazer uma animação 3d de uma Bandeira ao vento.

http://www.youtube.com/watch?v=hF8WILhC68A

Só fiz algumas alterações, depois apliquei uma belíssima textura. A minha ideia era criar uma Bandeira 3d do Brasil ao vento, com a música, e a letra do "Hino Nacional do Brasil".
Demorou uma hora e quarenta e dois minutos só para renderizar a animação com uma resolução de 960x540 num core 2 duo t9400 . Só o render baking durou cerca de uma hora, gerando cerca de 740MB de cache.

Já coloquei o resultado final no Youtube.

Visita Guiada ao render farm do Blender Institute

Um curiosa e divertida visita guiada ao "render farm" do Blender Institute.



O curioso, é o local onde eles alojaram o cluster. No banheiro (WC) LOL
Eu ri muito com este vídeo por causa das semelhanças com os quadradinhos do nerdson
Na empresa "devdevdev" o servidor também se encontrava no banheiro.

Instalar Unity no Ubuntu 10.04

Já não é novidade. Com certeza já viram o Ubuntu Unity, que foi especialmente concebido para os fabricantes OEM instalar nos netbooks.

Mas, como instalar o Unity no seu Ubuntu 10.04 LTS?
EDIT: Veja aqui como instalar o Unity no Ubuntu 10.10
É fácil, basta executar o seguinte comando numa consola:

sudo add-apt-repository ppa:canonical-dx-team/une && sudo apt-get update && sudo apt-get install -y unity

Reinicia a sua máquina, e depois no ecrã de Login escolha a sessão "Unity UNE Session".

Na apresentação do Unity Mark Shuttleworth foi "surpreendido" pelo épico clippy da MS LOL...

terça-feira, 6 de julho de 2010

Durian Project na fase final.

"Sintel" (Durian Project) é o novo filme da Blender Foundation, que está quase concluído.





Como podem ver neste timelapse, reina a boa disposição no Blender Institute :P



Tal como aconteceu com "Elephants Dream" e "Big Buck Bunny", todo o "material" do filme (blender files, renders, imagens etc...) vai ser disponibilizado para download futuramente, com licença Creative Commons .
Saiba mais em:
http://durian.blender.org/

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Meego Handset

Primeiras imagens do Meego handset.






Veja aqui mais screenshots:
http://meego.com/devices/handset/handset-screenshots
Para saber mais:
http://meego.com/devices/handset

Ubuntu 10.04 com última versão do Firefox.


Nova versão do Firefox 3.6.6 já esta disponível nos repositórios do Ubuntu 10.04.
Isto é uma novidade do Ubuntu 10.04 Lucid Lynx, porque em versões anteriores não existia actualizações automáticas para novas versões. Nas antigas versões do Ubuntu, havia apenas actualizações de segurança.
Como o lançamento de novas versões do Ubuntu é de 6 meses em 6 meses, esse período de tempo não coincide com o lançamento de novas versões do Firefox. Por isso novas versões do Firefox eram incompatíveis com determinadas versões do Ubuntu, devido a incompatibilidade nas “bibliotecas”.
Nas versões LTS era muito complicado para a Canonical, manter o suporte ao Firefox por tanto tempo, por isso só lançavam pequenas correcções para resolver problemas de segurança.

Mas isso agora mudou no Ubuntu 10.04 Lucid Lynx. Porque o pacote do Firefox vai incluir “bibliotecas” juntamente com o programa. A actualização para uma nova versão do Firefox passa a ser automática. Não vai ser mais preciso utilizar repositórios de terceiros, ou recorrer a "tweaks" para instalar uma nova versão.
O Chrome também inclui as suas próprias "Libs" para contornar as incompatibilidades.
No Linux, as bibliotecas são compartilhadas por vários programas. Mas o Firefox e Chrome vão passar a incluir as suas próprias bibliotecas.

quarta-feira, 16 de junho de 2010

FFmpeg 0.6

Nova versão do FFmpeg já tem suporte a VP8.
No dia 26 de maio coloquei aqui no blog um scrip para compilar o libvpx, e instalar o FFmpeg com suporte a VP8.
Mas a nova versão do FFmpeg já tem suporte VP8. Ou seja, já não é necessário aplicar um patch no FFmpeg.

Mais informações:
http://www.ffmpeg.org/download.html#release

sexta-feira, 28 de maio de 2010

MeeGo 1.0

Versão 1.0 do Meego já se encontra disponível para download.
http://meego.com/downloads


De momento é possível instalar o MeeGo nos seguintes equipamentos:
* Asus EeePC 901, 1000H, 1005HA, 1008HA, EeePC 1005PE, Eeetop ET1602
* Dell mini10v, Inspiron Mini 1012
* Acer Aspire One D250, AO532-21S, Revo GN40, Aspire 5740-6025
* Lenovo S10
* MSI U130, AE1900
* HP mini 210-1044
* Toshiba NB302
Fonte: http://meego.com/

Procedimento para instalar:
http://meego.com/devices/netbook/installing-meego-your-netbook
O Projecto Meego foi anunciado à cerca de dois 3 meses atrás. Em pouco tempo, fizeram um bom trabalho. O site do projecto está muito bem organizado e documentado. E o MeeGo tem um aspecto muito atractivo, e intuitivo.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Compilar o ffmpeg com codec VP8

Nota: 16/06/2010 A nova versão do FFmpeg (0.6) já tem suporte a VP8. Já não é necessário usar este script para aplicar o patch.

Como já sabem, o Google liberou o codec VP8.
Eu fiz o dowload do código fonte do codec e apliquei o patch para o ffmpeg que está no site do WebM. O libvpx compilou... mas o "make install" não instalou os executáveis e "lib's", nas pastas do sistema. Tive de copiar os "executáveis" do libvpx para a raiz do sistema. Para contornar este problema criei um pacote deb "manualmente". (O checkinstall também dá erro.)

Por isso fiz um script para ser mais fácil o processo de instalação do ffmpeg no Ubuntu (9.10 ou 10.09) com suporte a x264 e libvpx_vp8.

Algumas considerações:
  • O script usa versões "snapshot" do ffmpeg x264 e libvpx_vp8, para reduzir a possibilidade de ocorrem incompatibilidades e erros.
  • Se o seu processador for de 64bit, o script optimiza o comando "./configure".
  • Só testei o script no Ubuntu 9.10 mas deve funcionar sem problemas no Ubuntu 10.04. A única diferença é o "pacote" libxvidcore4-dev que mudou de nome para libxvidcore-dev no Ubuntu 10.04.
  • Este script é provisório, é apenas para instalar o libvpx nesta fase de integração com o ffmpeg. Futuramente não será necessário aplicar "patches" no ffmpeg.
  • Utilize o script por sua própria conta e risco. Recomendo a sua utilização num VM ou através do liveCD.



#!/bin/bash
#tuxmind.blogspot.com
#Licença:
#http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/
##########################################################
#Recompilar ffmpeg (vp8 x264) Ubuntu 10.04 / 9.10.
##########################################################


rec_ffmpeg() {

erro() {
echo "ERRO. Não foi possível aceder ao servidor. Tente mais tarde."
exit
}

cd ~

if [ -e recomp_ffmpeg ]
then
echo "recomp_ffmpeg já existe"
else
mkdir recomp_ffmpeg
fi
cd recomp_ffmpeg

#adicionar repositorios e pacotes necessários
dependencias() {
VERSAO=`cat /etc/lsb-release | grep DISTRIB_RELEASE | cut -d= -f 2`
case $VERSAO in
9.10 ) LIBXVIDCORE_DEV="libxvidcore4-dev" ;;
10.04 ) LIBXVIDCORE_DEV="libxvidcore-dev" ;;
*) echo "ERRO! O script só funciona no Ubuntu, nas versões 9.10 e 10.04"; exit ;;
esac
#adicionando repositorios universe multiverse
sudo software-properties-gtk -e universe
sudo software-properties-gtk -e multiverse
sudo apt-get update

#purge libvpx :P
sudo apt-get purge -y ffmpeg x264 libx264-dev libvpx
sudo apt-get update
#Nome do pacote alterado no ubuntu 10.04 é "libxvidcore-dev", ubuntu 9.10 era "libxvidcore4-dev"
sudo apt-get install -y build-essential subversion checkinstall yasm texi2html libfaac-dev libfaad-dev libmp3lame-dev libtheora-dev $LIBXVIDCORE_DEV libsdl1.2-dev libvorbis-dev libopencore-amrwb-dev libopencore-amrnb-dev git-core libx11-dev libxfixes-dev zlib1g-dev || erro
echo "dependencias-ok" > dep.log
}

if [ -e dep.log ]
then
echo "dependencias-ok"
else
dependencias
fi

#x264
if [ -e x264-snapshot-20100524-2245.tar.bz2 ]
then
echo "x264-ok"
else


#git clone git://git.videolan.org/x264.git
wget -t 10 -w 20 ftp://ftp.videolan.org/pub/videolan/x264/snapshots/x264-snapshot-20100524-2245.tar.bz2 || erro
tar xjf x264-snapshot-20100524-2245.tar.bz2
mv x264-snapshot-20100524-2245 x264
cd x264

#./configure
#64bit ou 32bit?
if [ `uname -m` == x86_64 ]
then
./configure --enable-pic
else
./configure
fi

#./configure --enable-pic
make
sudo checkinstall --fstrans=no --install=yes --pkgname=x264 --pkgversion "2:0.96.1602+git69588a7" --default

cd ..
fi


#libvpx
if [ -e libvpx-0.9.0.tar.bz2 ]
then
echo "libvpx-0.9.0-ok"
else


#VP8 Google :)
#a versão no git nem sempre é estável :P
#git clone git://review.webmproject.org/libvpx.git
wget -t 10 -w 20 http://webm.googlecode.com/files/libvpx-0.9.0.tar.bz2 || erro
tar xjf libvpx-0.9.0.tar.bz2
cd libvpx-0.9.0

#./configure
#64bit ou 32bit?
if [ `uname -m` == x86_64 ]
then
./configure --disable-install-docs --target=x86_64-linux-gcc --enable-pic --enable-vp8
#./configure --disable-install-docs --target=x86_64-linux-gcc --enable-pic --enable-install-bins=/usr/local/bin --enable-install-libs=/usr/local/lib --enable-install-srcs=/usr/local/src -enable-VP8
#DEBIAN/control
ARQ="amd64"
VPX="vpx-vp8-nodocs-x86_64-linux-v0.9.0/*"
else
./configure --disable-install-docs --target=x86-linux-gcc --enable-vp8
#DEBIAN/control
ARQ="i386"
VPX="vpx-vp8-nodocs-x86-linux-v0.9.0/*"
fi

make install
#criar deb, porque o parametro "install" não instalou o libvpx. bug no makefile? :P
mkdir -p PACKAGE/{usr/local,}
cp -r $VPX PACKAGE/usr/local/
#libvpx-src :P
#rm -rf PACKAGE/usr/local/build/
#rm -rf PACKAGE/usr/local/src/
rm -rf PACKAGE/usr/local/md5sums.txt
mkdir PACKAGE/DEBIAN

cat > PACKAGE/DEBIAN/control << EOF
Package: libvpx
Priority: extra
Maintainer: tuxmind.blogspot.com
Architecture: $ARQ
Version: 0.9.0
Depends:
Provides: libvpx
Description: codecVP8
EOF

sudo dpkg-deb -b PACKAGE/ libvpx-ubuntu.deb
sudo dpkg -i libvpx-ubuntu.deb

cd ..
fi


svn_ffmpeg() {

#svn checkout svn://svn.ffmpeg.org/ffmpeg/trunk ffmpeg
svn checkout -r 23165 svn://svn.ffmpeg.org/ffmpeg/trunk ffmpeg || erro

}

if [ -e ffmpeg ]
then
echo "ffmpeg-ok"
else
svn_ffmpeg
fi

#Patch ffmpeg
if [ -e mplayer-vp8-encdec-support-r2.tar.bz2 ]
then
echo "ffmpeg-patch-ok"
exit
else
wget -t 10 -w 20 http://webm.googlecode.com/files/mplayer-vp8-encdec-support-r2.tar.bz2 || erro
tar xjf mplayer-vp8-encdec-support-r2.tar.bz2
cp -r mplayer-vp8-encdec-support/*.diff ffmpeg
cp -r mplayer-vp8-encdec-support/ffmpeg-only/*.diff ffmpeg
cd ffmpeg
for patchs in *.diff; do patch -p0 < $patchs ;done
echo "Patch ok"
fi

#./configure
#64bit ou 32bit?
if [ `uname -m` == x86_64 ]
then
./configure --enable-gpl --enable-nonfree --enable-pthreads --enable-libfaac --enable-libfaad --enable-libmp3lame --enable-libtheora --enable-libx264 --enable-libxvid --enable-avfilter --enable-libopencore-amrnb --enable-libopencore-amrwb --enable-libvorbis --enable-x11grab --enable-version3 --enable-libvpx-vp8 --arch=x86_64
else
./configure --enable-gpl --enable-nonfree --enable-pthreads --enable-libfaac --enable-libfaad --enable-libmp3lame --enable-libtheora --enable-libx264 --enable-libxvid --enable-avfilter --enable-libopencore-amrnb --enable-libopencore-amrwb --enable-libvorbis --enable-x11grab --enable-version3 --enable-libvpx-vp8
fi

make
sudo checkinstall --fstrans=no --install=yes --pkgname=ffmpeg --pkgversion "4:SVN-r23165" --default

}

##########################################################
#INICIAR SCRIPT
##########################################################

rec_ffmpeg xargs sudo
echo "O script terminou :P"
exit



Importante: Para ter a certeza que o script "chegou ao fim" aguarde pela mensagem: "O script terminou :P".

Depois de instalar faça um teste:

ffmpeg -i entrada.mp4 -sameq -vcodec libvpx_vp8 -acodec libvorbis saida.webm

Para ver o resultado use o ffplay:

ffplay saida.webm

Nos testes que realizei, achei a relação qualidade/compressão muito boa. É a minha opinião pessoal. Porque não fiz uma comparação com base cientifica.
Outra coisa que notei é que o "encoder" é muito lento. Talvez a integração com o ffmpeg, ainda não esteja perfeita.

Sugestões são bem vindas. Também gostaria de saber se posso fazer alguma coisa para melhorar o desempenho do libvpx no ffmpeg, ou se estou a esquecer de alguma coisa.

EDIT: Já fiz um teste no Ubuntu 10.04 versão i386, e funcionou.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Google libera o codec vp8

EDIT: (26 de maio de 2010) Veja aqui como compilar o ffmpeg com vp8

O Google Liberou ontem o Codec VP8. O codec de vídeo VP8 é agora open-source, e utiliza a licença BSD.
São boas noticias para o html5. A Google, Mozilla e Opera lançaram um projecto com o nome de WebMproject, que já tem o apoio e a participação de algumas empresas de "peso". (AMD, ARM, Nvidia, Skype etc...) O WebM utiliza o codec VP8 para compressão de vídeo, e o Vorbis para a compressão do áudio, e usa um "contentor" baseado no Matroska.

Eu ontem já estive a testar o codec VP8 no ffmpeg (Ubuntu).
Na página do WebMproject está disponível um patch para o ffmpeg. http://code.google.com/p/webm/downloads/list
Só que ocorreu um erro durante a instalação do libvpx. Ao que parece o problema está no Makefile. Porque o "configure" funciona, mas depois não instala o libvpx com o comando "Make Install". Tive de copiar manualmente os executáveis e livrarias do libvpx para as pasta /usr/local/bin, lib e include. Só assim é que consegui compilar o ffmpeg com êxito.
Mas futuramente esse problema será resolvido, porque o libvpx poderá ser incluído em futuras versões do ffmpeg. E claro... vão ser feitas melhorias na integração com a libvpx.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Ubuntu Light

A Canonical lançou uma nova versão do Ubuntu, com nome de "Ubuntu Light". O objectivo é ser usado por OEMs em dual boot com Windows. O Ubuntu Light é um sistema muito leve que usa um interface optimizada (Unity), e apenas demora 7 segundos a iniciar.

Será que a "base" deste novo "sistema" tem alguma coisa do Chome OS, que a Canonical está a ajudar a desenvolver? http://tuxmind.blogspot.com/2009/11/parceria-google-canonical.html

Saiba mais sobre o Ubuntu Light http://www.canonical.com/products/unity

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Lançado novo Ubuntu 10.04

Esta versão 10.04 é LTS (versão com suporte mais longo).
Entre as novidades está o novo visual, um boot mais rápido, uma loja de musica "online" (Ubuntu One Music Store), melhor integração com redes sociais, e muito mais...
Para saber tudo em pormenor... http://www.ubuntu.com/products/whatisubuntu/1004features


Ubuntu FTW :)

segunda-feira, 19 de abril de 2010

WePad

WePad é um tablet (SO baseado no Android), criado por uma empresa alemã.
É bastante "curioso" o nome deste dispositivo. WePad (Nós) Será que é uma brincadeira com o egocentrismo da Apple? i (eu) iPad iPhone iEtc... :P

"Algumas pessoas pensam que a vida é toda sobre o I (eu) e o "Me, Me, Me (meu).
Nós discordamos. Para nós, a força de muitos bate a força de um. É por isso que criamos o WePad: É a solução mais inteligente para desfrutar da Internet do seu jeito."
Fonte: http://wepad.mobi/en

Só na autonomia é que o WePad ficou atrás do iPad. (6 horas de autonomia)
O WePad parece que foi feito a pensar em colmatar todas as "limitações" do iPad.

Algumas características:

Display: 11,6“ mit 1366 x 768 Pixels, Colour, Multi-Touch
Processador: 1,66 GHz Intel Atom N450 Pineview-M
Memória: 16 / 32 GB, Extension with SDHC Card up to 32 GB possible
Webcam: (1,3 Megapixel)
Peripherals: 2 x USB integrated, Card reader, Audio output, SIM Card Slot, Multi-Pin Connector
Applications: WePad Meta-Store integrates multiple Stores, Support for native, Java, Flash,Linux, Adobe AIR® and Android Apps
Multitasking: Yes including Live-Information on Home Screen
Supported eBook Formats ePub, PDF, TXT, Mobipocket, WeBook premium format at Q4/10

WePad em acção.

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

MeeGo. Fusão do Maemo e Moblin.

A Intel e a Nokia juntaram-se para desenvolver o MeeGo. O MeeGo é a "fusão" dos projectos Maemo e Moblin.

O MeeGo será desenvolvido a pensar nos smartphones, netbooks, tablets, media players, TVs, etc... Os programas serão desenvolvidos em c++ e Qt. A ideia é quando os programadores criarem um programa para o MeeGo, o programa irá funcionar em várias plataformas, além disso, fica mais fácil portar os aplicativos para dispositivos com Symbian.

Numa primeira fase a arquitectura do MeeGo terá uma "User interface" para dispositivos móveis como "Handheld", e outra, com uma UI adaptada para Netbooks. Futuramente outras UI poderão ser criadas. Como por exemplo uma UI para In-Vehicle (adaptada para automóveis). Fabricantes de automóveis poderão utilizar o MeeGo para os seus sistemas de navegação e entretenimento. São várias as possibilidades do MeeGo.

As minhas expectativas com o MeeGo são elevadas, devido ao envolvimento de duas gigantes, Intel e Nokia, e ainda por cima com a colaboração da conceituada Linux Foundation. (http://www.linuxfoundation.org/lp/page/meego)

A luta no mercado dos "smartphones" vai ficar bem animada com MeeGo ( e o Symbian), Android, Iphone, e WM7. Não se sabe quem irá ganhar esta batalha no futuro. Mas uma coisa é certa. Quem vai ficar a ganhar com toda esta "concorrência", é o consumidor.

Site oficial do projecto: http://meego.com/

Anuncio no site da Nokia:
http://www.nokia.com/press/press-releases/showpressrelease?newsid=1384419
Press Room Intel:
http://www.intel.com/pressroom/kits/events/mobileworld2010/intel-nokia/index.htm?iidtarget="blank"=pr1_marqmain_meego

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Robô que roda Ubuntu

Uma empresa Japonesa (Fuji Soft Inc.'s) desenvolveu um robô com o nome de Palro, que roda Linux (Ubuntu).
Criado para fins educacionais e também para entusiastas, o Palro utiliza controladores escritos em C++, roda Ubuntu, e o código das suas bibliotecas é open source.
Muitos dos componentes do Palro são utilizados actualmente em netbooks.
Veja a lista de alguns dos componentes utilizados.

* Display de LEDs
* Microfone direcional (reconhecimento de voz)
* Sensores de pressão e distância
* Webcam de 3 MP (CMOS)
* Acelerômetro
* Bateria de íons de lítio de 7.4V/2,800mAH
* WiFi 802.11 b/g/n
* Porta USB
* Processador Intel Atom de 1.6GHz
* Memória RAM 1GB
* Disco SSD de 4GB

Veja neste vídeo o Palro em ação.



quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

OpenShot 1.0

OpenShot 1.0
Finalmente um excelente editor de vídeo open souce para o Linux que é Fácil de utilizar, e o mais importante é estável.
Existem outros editores de vídeo para o Linux. Só que o grande problema é que a maioria deles não tem muita estabilidade. Você passa horas editando um vídeo e de um momento para o outro o programa "crasha" e você "perde" tudo. A solução que eu encontrei foi usar o Blender que também tem um editor de vídeo, e o melhor de tudo é a sua estabilidade. Ele não "crasha" como acontecia com todos os outros programas de edição de vídeo que eu já testei no Linux. O único problema do Blender, é a sua "curva de aprendizagem" longa.
O Openshot é relativamente recente. Mas no seu curto tempo de vida, ele evoluiu muito.
Foi por mero acaso que vi um vídeo no Vimeo anunciando o lançamento da versão 1.0 do OpenShot.



O video deixou-me curioso.
Foi então que decidi ir ao site do OpenShot. Confesso que no principio estava um pouco céptico. Mas quando vi algumas das demos que estão no site do OpenShot, é que decidi instalar para testar. Após a instalação editei um pequeno vídeo em 720p HD. Gostei da estabilidade do programa. Além disso o programa é muito intuitivo e tem muitas opções.
O que me surpreendeu mais é que ele tem suporte a ficheiros svg e abre o Inkscape "dentro" do próprio OpenShot.

Algumas das funcionalidades do OpenShot:

* Support for many video, audio, and image formats (based on FFmpeg)
* Gnome integration (drag and drop support)
* Multiple tracks
* Clip resizing, trimming, snapping, and cutting
* Video transitions with real-time previews
* Compositing, image overlays, watermarks
* Title templates, title creation
* SVG friendly, to create and include titles and credits
* Scrolling motion picture credits
* Solid color clips (including alpha compositing)
* Support for Rotoscoping / Image sequences
* Drag and drop timeline
* Frame stepping, key-mappings: J,K, and L keys
* Video encoding (based on FFmpeg)
* Key Frame animation
* Digital zooming of video clips
* Speed changes on clips (slow motion etc)
* Custom transition lumas and masks
* Re-sizing of clips (frame size)
* Audio mixing and editing
* Presets for key frame animations and layout
* Ken Burns effect (making video by panning over an image)
* Digital video effects, including brightness, gamma, hue, greyscale, chroma key (bluescreen / greenscreen), and over 20 other video effects

Veja o potencial do programa.




Para instalar no Ubuntu 9.10 (Karmic) é muito facil... abra um console e execute os seguintes comandos:

sudo add-apt-repository ppa:jonoomph/openshot-edge
sudo apt-get update
sudo apt-get install openshot openshot-docs


O Blender continua sendo uma excelente opção. Mas o OpenShot é mais "user friendly". O Ubuntu poderia considerar seriamente em incluir o OpenShot nas suas futuras versões. Um programa de edição de vídeo fácil de utilizar e "decente" era mesmo o que faltava no Linux. Mas parece que o OpenShot veio resolver essa problema.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Editar vídeo no Blender

O Blender não é apenas um programa de animação, modelação 3D, e game engine. Ele também tem um excelente editor de vídeo (não-linear).
Mas onde está o editor de vídeo do Blender?
Quando abrimos o Blender por omissão ele mostra um Datablock, (ou layout), pronto para modelar objetos 3D.
Para mudar o Datablock, abra o Blender, e no topo da janela ao lado do botão "help" mude para o modo "sequence".
Já temos o Blender quase pronto para editar os vídeos.

Agora pressione o botão "Do sequence" no painel "Render Buttons" antes de renderizar o vídeo, porque por omissão o Blender renderiza a "cena" 3D.
Na aba "format" escolha o ffmpeg para renderizar em vídeo (senão o render será uma enorme sequência de imagens). Outro pormenor que não pode esquecer é o accionar o "multiplex audio" na aba "audio", para que o seu vídeo não fique sem som.

Veja neste vídeo tutorial, uma explicação passo a passo...


Antes de começar a trabalhar verificar se todos os vídeos que você vai utilizar tem o mesmo valor de FPS (frames por segundo). E antes de importar os vídeos mude o valor do FPS no Blender. Só assim o vídeo fica sincronizado com o som.
Nota: Depois de mudar o FPS no Blender você vai ter de apagar e importar de novo os vídeos para que fique tudo
sincronizado.

Quem já usou algum editor de vídeo, não terá grandes dificuldades com o Blender. Basta começar a importar vídeos , imagens, sons ou cenas criadas no Blender para a "timeline", e começar a trabalhar.

Para adicionar um vídeo, imagem, ou som na "timeline" pressione a tecla espaço ou no menu pressione o botão add.

A tecla K corta uma "barra"
(sequence strip) a meio onde temos a "linha verde."

Para arrastar uma "barra" pressione em cima com o botão direito do mouse e depois prima G.

Para adicionar um efeito de transição entre duas barras, pressione na primeira barra com o botão do mouse direito, e depois pressione na segunda barra com a tecla shift pressionada.

Os títulos imagens etc... podem ser criados no Gimp e depois exportados para o Blender. (Também pode ser feito dentro do próprio Blender. Mas para isso é preciso saber trabalhar com a parte de modelação 3d do programa.)

No site do Blender existe um excelente manual (inglês) para entender o funcionamento do editor de vídeo.
Não é necessário dedicar muito tempo a ler o manual para começar a fazer vídeos com alguns efeitos básicos. Veja o resultado do meu teste:



Gostei muito da estabilidade deste editor de vídeo, e com alguma imaginação, pode-se combinar alguns do efeitos disponíveis para criar efeitos mais elaborados. Também é possível instalar plugins com efeitos adicionais como o "cromakey".

O render é muito rápido, e durante a edição do vídeo que eu fiz , o Blender não bloqueou uma única vez. O programa tem uma boa estabilidade :)
Se você ainda tem duvidas da potencialidade deste editor de vídeo, veja a animação Big Buck Bunny. http://www.youtube.com/watch?v=YE7VzlLtp-4 Eles não usaram o Blender só para a modelação 3d e animação. Também usaram o Blender para o trabalho de "pós produção".