quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Blender 2.60 textura em objecto geométrico plano.

Para aplicar uma textura num objeto geométrico plano no Blender, é preciso criar um plano (com as dimensões da imagem), importar uma imagem que será usada como textura, e por fim utilizar o UV Editing para mapear o objeto plano.

Será que não existe uma maneira mais fácil e rápida de fazer isso?
Existe sim! A resposta está no addon "Import image as planes".

Veja como ativar e utilizar este fantástico addon para o Blender, no vídeo em baixo.

Para aplicar texturas em objetos com outras formas geométricas, só mesmo usando o UV Editing. :-)

Nota: Veja aqui como instalar o Blender 2.60 no ubuntu 11.10
http://tuxmind.blogspot.com/2011/10/blender-260-no-ubuntu-1110.html

Blender 2.60 no ubuntu 11.10

Já esta disponível para download o Blender 2.60a (veja as novidades do 2.60 em: http://www.blender.org/development/release-logs/blender-260 )
 
No repositório do ubuntu 11.10 só esta disponível o Blender 2.58, por isso temos de fazer o download via blender.org. (Esta dica também serve para ubuntu 10.04 LTS, e para as versões superiores até 11.10)

Como sempre abrimos um terminal com a combinação de teclas:
CTRL + ALT + T

Nota: Esta dica instala automaticamente a versão correcta para a sua maquina (i686 ou x86_64), e o Blender ficará instalado na pasta do utilizador (não será preciso privilégios administrativos para usar os comandos em baixo). :-)

A seguir usamos os comandos:

wget http://download.blender.org/release/Blender2.60/blender-2.60a-linux-glibc27-`uname -m`.tar.bz2

tar xjf blender-2.60a-linux-glibc27-`uname -m`.tar.bz2

rm blender-2.60a-linux-glibc27-`uname -m`.tar.bz2

echo -e "[Desktop Entry]\nName=Blender 2.60\nGenericName=3D modeller\nComment=Create and edit 3D models and animations\nExec=/home/$USER/blender-2.60a-linux-glibc27-`uname -m`/blender -w\nIcon=/home/$USER/blender-2.60a-linux-glibc27-`uname -m`/icons/scalable/apps/blender.svg\nTerminal=false\nType=Application\nCategories=Graphics;3DGraphics;\nStartupNotify=false\nMimeType=application/x-blender;" > ~/.local/share/applications/blender-2.60.desktop

chmod +x ~/.local/share/applications/blender-2.60.desktop

Agora é só ir até a dash no Unity (ou no menu do gnome classic) e procurar por "Blender 2.60". :-)

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Android 4.0 Ice Crean Sandwich


Aqui fica de uma forma muito resumida as principais novidades do Android 4.0 Ice Crean Sandwich, e do primeiro smartphone a usar esta versão 4.0 do Android (Samsung Galaxy Nexus).

Mais fácil e intuitivo de usar, acesso rápido à barra de notificações, e no desbloqueio temos a possibilidade de aceder à camera directamente. (É claramente uma ideia aproveita da "comunidade" cyanogenMod, integrando essa funcionalidade no "círculo de desbloqueio")

O mesmo esquema de menu em forma de "círculo" é utilizado para atender ou recusar chamadas, sendo adicionado uma nova opção para "resposta rápida".

Widgets num novo separador lado-a-lado com as aplicações. (Ficou mais intuitivo de usar )

Controlo de tráfego de dados com detalhe ao nível do consumo de cada aplicação, podendo definir um limite máximo e alertas de consumos através de uma UI muito simples e intuitiva.

Outra funcionalidade muito útil que também está relacionada com a poupança no consumo de dados é a possibilidade de guardar paginas para serem vistas em modo offline, e o Gmail também ganhou uma opção de pesquisa offline.

A camera permite tirar fotos e fazer zoom enquanto grava vídeo (full HD), e tem uma interessante funcionalidade de “time lapse”. Em modo de fotografia a camera faz disparos instantâneos, reduzindo drasticamente o tempo entre fotos (fast shot2shot), e também tira fotos panorâmicas.

Nova funcionalidade de captura de ecrã (screenshot) recorrendo simultaneamente aos botões de power e volume. (uma funcionalidade pedida por muitos utilizadores)

Partilha via NFC de vários tipos de conteúdo como sites, aplicações, Youtube, etc... (recurso conhecido como Android Beam) vai ser muito interessante ver o que os developers vão conseguir fazer com esta nova funcionalidade.

Este texto foi apenas um pequeno resumo, porque as novidades são muitas :). Para saberem todos os detalhes e specs, visitem a página do android. http://www.android.com/

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Dicas para o Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot


Veja nos links em baixo algumas dicas para o Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot:

Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot sem Unity
Personalizando o Unity 
Applets no painel do Gnome Classic
Screensaver no Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot

Applets no painel do Gnome Classic

Se instalou o Gnome 3 em fallback mode (mais conhecido por Gnome Classic) no Ubuntu 11.10, já deve ter reparado que o painel do Gnome (gnome-panel) sofreu ligeiras alterações. Antes bastava um clique com o botão direito do mouse para adicionar applets. Agora é necessário premir Alt + botão direito do mouse para ter acesso as definições do painel do Gnome.

 
Para aceder às opções de um applet, basta um clique com o botão direito do mouse. Mas para mover ou remover o applet do painel do Gnome, também utiliza-se a combinação de teclas Alt + botão direito mouse.


Esta dica também serve para outras distribuições que usam Gnome3, mas só é possível adicionar applets no modo fallback. Não funciona no Gnome-Shell

Veja também outras dicas para Ubuntu 11.10
Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot sem Unity
Personalizando o Unity


Screensaver no Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot

O Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot não vem com screensavers (proteção de tela ou ecrã :P) . O gnome-screensaver só tem opções de energia. Então como colocar Secreensavers?
Para isso vamos ter de remover o gnome-screensaver e instalar o xscreensaver.

Abra um terminal com a seguinte combinação de teclas Ctrl + Alt + t e execute os seguintes comandos: (veja em baixo de cada comando uma explicação do que ele faz)

which gnome-screensaver && sudo apt-get remove -y gnome-screensaver
- Remove o gnome-screensaver (só remove se estiver instalado).

sudo apt-get install -y xscreensaver xscreensaver-gl-extra xscreensaver-data-extra
- Instala o xscreensaver e alguns extras.

mkdir -p ~/.config/autostart
- Cria a pasta autostart, caso esta ainda não exista (em novas instalações a pasta ainda não existe).

echo -e "\n[Desktop Entry]\nType=Application\nExec=xscreensaver -no-splash\nHidden=false\nNoDisplay=false\nX-GNOME-Autostart-enabled=true\nName[pt]=xscreensaver\nName=xscreensaver\nComment[pt]=\nComment=\n" > ~/.config/autostart/xscreensaver-start.desktop
- Esse comando vai colocar o xscreensaver no arranque do sistema. Ele cria o arquivo xscreensaver-start.desktop e depois coloca dentro da pasta /home/user/.config/autostart/.

xscreensaver -no-splash &
- Inicia o deamon xscreensaver.

echo -e "[Desktop Entry]\nExec=xscreensaver-demo\nIcon=xscreensaver\nTerminal=false\nName=Screensaver\nComment=Change screensaver properties\nType=Application\nCategories=GNOME;GTK;Settings;DesktopSettings;X-GNOME-Settings-Panel;X-GNOME-PersonalSettings\nX-Ubuntu-Gettext-Domain=xscreensaver\nX-GNOME-Settings-Panel=xscreensaver" > ~/xscreensaver.desktop
- Cria o arquivo xscreensaver.desktop.

sudo mv ~/xscreensaver.desktop /usr/share/applications/
- Coloca o xscreensaver nas definições/configurações do sistema copiando o xscreensaver.desktop para a pasta /usr/share/applications/


Arquivos criados pelo 4º e 6º comando:
xscreensaver-start.desktop:
[Desktop Entry]
Type=Application
Exec=xscreensaver -no-splash
Hidden=false
NoDisplay=false
X-GNOME-Autostart-enabled=true
Name[pt]=xscreensaver
Name=xscreensaver
xscreensaver.desktop:
[Desktop Entry]
Exec=xscreensaver-demo
Icon=xscreensaver
Terminal=false
Name=Screensaver
Comment=Change screensaver properties
Type=Application
Categories=GNOME;GTK;Settings;DesktopSettings;X-GNOME-Settings-Panel;X-GNOME-PersonalSettings
X-Ubuntu-Gettext-Domain=xscreensaver
X-GNOME-Settings-Panel=xscreensaver
Veja também outras dicas para o Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot
Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot sem Unity
Personalizando o Unity 
Applets no painel do Gnome Classic

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Ubuntu 11.10

A versão final do Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot já está disponível para download.

Se você não gostou do Unity, tenha calma :D , veja como voltar ao Gnome tradicional aqui: Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot sem Unity

Se você gostou do Unity, (ou quer dar uma chance ao Unity) veja aqui como personalizar o seu Ubuntu com Unity: Personalizando o Unity



Faça uma visita guiada pelo sistema, e explore Oneiric Ocelot sem sair do seu browser http://www.ubuntu.com/tour/
 

Link para download: http://www.ubuntu.com/download

Dennis Ritchie 1941 - 2011

Morreu Dennis Ritchie criador da linguagem C e "co-criador" do Unix.

Sem este importante cientista da computação, não teríamos o Unix, nem os sistemas Unix-like (Linux, Mac OSx, BSD, etc...)

Neste vídeo podemos ver o génio da computação, a falar sobre uma das suas criações. O sistema Unix.


segunda-feira, 26 de setembro de 2011

OpenShot 1.4

OpenShot 1.4 já está disponível, e como tem sido habitual, há muitas novidades na nova versão.


Aqui está uma lista de algumas das novas características:

  • Melhorias na TimeLine.
  • Efeitos de áudio e vídeo mais estáveis.
  • Melhorias na correcção e ajuste de cor.
  • Novos efeitos de áudio e vídeo.
  • 5 novos perfis de vídeo.
  • Novas animações 3D.
  • Novas transições.
  • Aprimoramento nas traduções.
  • Melhoria nos thumbnails (pré-visualização em miniatura).
  • Melhorias na edição de títulos.
  • Novos atalhos de teclado.
  • Maior precisão nas cores dos título de animações 3D.
  • Correção de vários bugs, e melhoria na performance.
  • Funciona melhor com o MLT 0.7.4+, mas mantém a compatibilidade com as versões antigas.

O desenvolvedor principal e criador do OpenShot Jonathan Thomas, já está trabalhando numa futura versão que terá a sua própria "video editing library" escrita em c++ que irá substituir o MTL ("library" utilizada actualmente). O projecto ambiciona que já no próximo ano (mais ou menos daqui a uma ou duas versões) o OpenShot já tenha uma versão experimental com a sua própria "library".

A instalação no Ubuntu 9.04 (ou versões superiores) é feita através da adição de repositórios PPA:

sudo add-apt-repository ppa:jonoomph/openshot-edge
sudo apt-get update
sudo apt-get install openshot openshot-doc
Pare saber mais: http://www.openshot.org/

sábado, 10 de setembro de 2011

Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot sem Unity

Se não gostou do Unity ou tem uma máquina antiga que não se adapta bem ao Unity-2d não desespere. Não é o fim do Mundo :P
Basta instalar o "gnome classic" no Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot.
Vá até ao menu do Unity e pesquise por "terminal" e clique enter.
No terminal execute o seguinte comando:
sudo apt-get update

Depois adicione os repositórios "universe" e "multiverse".
sudo software-properties-gtk -e universe && sudo software-properties-gtk -e multiverse

Novamente um apt-get update:
sudo apt-get update

E finalmente instale o gnome-session:
sudo apt-get install gnome-session-fallback

Agora é só fazer log-out:
E no LightDM clique na "roda dentada" e escolha a sessão "GNOME Classic"
Após o "login" aparece uma janela de erro do GNONE3 (essa mensagem de erro só aparece uma vez).
Ignore a mensagem de erro e aproveite o seu Ubuntu 11.10 com o "tradicional" desktop :)

Nota: O LigthDM ainda não guardava a última sessão escolhida quando escrevi este post (o Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot ainda estava em versão beta).
Para que não seja necessário escolher o "Gnome Classic" sempre que se faz login, é necessário colocar o gnome-classic como default session.
Para fazer isso bastar executar o seguinte comando:

sudo /usr/lib/lightdm/lightdm-set-defaults -s gnome-classic

Dica: Se você utiliza auto-login, pode usar o mesmo comando em cima, para arrancar sempre com o gnome-classic

terça-feira, 21 de junho de 2011

Nokia N9 foi finalmente anunciado oficialmente.

Tem um design muito atraente, e o Meego "ganhou" uma UI fantástica. De um modo geral as primeiras impressões são muito positivas.

Detalhes da máquina.

Networks: Pentaband WCDMA 850, 900, 1900, 1700, 2100, Quad band GSM/EDGE 850, 900, 1800, 1900
Speed: HSDPA Cat10: 14.4Mbps, HSUPA: Cat6 5.76Mbps
Display: 3.9” WVGA (854×480) AMOLED display with curved Gorilla glass, no air gap, anti-glare polarizer
OS: MeeGo 1.2 Harmattan
Memory: 1024MB RAM, 16GB/64GB storage
Camera: 8Mpix auto-focus Carl Zeiss, wide-angle lens, 2x LED flash, Video capturing MPEG-4 SP 720p @ 30fps, 2nd camera for video calls
Size / Weight: 116.45 mm x 61.2 mm x 7.6–12.1 mm (L x W x T) / 76 cm3/ 135 g
Connectivity: BT 2.1, GPS, A-GPS, WLAN 802.11abgn, NFC, 3.5mm AV connector, micro USB connector, USB charging
Processor: ARM Cortex-A8 OMAP3630 1 Ghz, PowerVR SGX530
Audio: MP3 player, Audio jack: 3.5mm, Supported codecs: mp3, AAC, AAC+, eAAC+, WMA, FLAC.
Battery: 1450 mAh
Talk time: (GSM/WCDMA) up to 11 h / up to 7 hours
Standby time: Up to 450 hours (WCDMA), up to 380 hours (GSM)
Video playback (720P): up to 4.5 hours
Music playback: up to 50 hours

Fonte: Nokia Conversations

O hardware pode não ser topo de gama (nos padrões atuais). Mas o kernel Linux e a "user interface" que a Nokia criou para o Meego, aproveitam sabiamente os recursos disponíveis. Parece que tem um excelente desempenho. (veja o vídeo)



Outra novidade é o Nokia "N950 developer MeeGo handset". Esse sim... é o verdadeiro sucessor do fantástico N900.


segunda-feira, 30 de maio de 2011

Lançado o RC1 do Linux v3.0

A grande "mudança" é a nova numeração que passa de 2.6.39 para 3.0 :P
Linus esclareceu que não existirá nenhuma alteração profunda na nova versão.

"So what are the big changes?

NOTHING. Absolutely nothing. Sure, we have the usual two thirds driver
changes, and a lot of random fixes, but the point is that 3.0 is
*just* about renumbering, we are very much *not* doing a KDE-4 or a
Gnome-3 here. No breakage, no special scary new features, nothing at
all like that. We've been doing time-based releases for many years
now, this is in no way about features. If you want an excuse for the
renumbering, you really should look at the time-based one ("20 years")
instead."
Veja aqui a mensagem de Linus: https://lkml.org/lkml/2011/5/29/204

Resumindo, a versão 3.0 servirá mais como um "apontamento histórico" do inicio da terceira década de existência do Linux.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Cycles render engine para o Blender 2.57

Cycles é um novo "render engine" open-source que está a ser testado no Blender 2.57.

Com o Cycles é possível fazer GPU redering em placas Nvidia com um desempenho espetacular. O render é quase em tempo real :P Mesmo quando usa apenas o CPU, o desempenho continua muito bom. No vídeo que está em baixo, ele foi testado num Intel Core2 Duo 2.66Ghz e com uma placa Nvidia GTX 460.
Veja o desempenho do Cycles.






Uma excelente noticia para os aficionados do Blender.

Fedora 15 no VirtualBox com Gnome Shell

Esta semana saiu o Fedora 15 com super novidades como o Gnome Shell e o systemd.
Normalmente antes de instalar, faço sempre um teste numa máquina virtual, mas tal como acontece no Unity o Gnome Shell também tem requisitos mínimos para funcionar.



Para testar o Fedora 15 no VirtualBox precisamos do guest-additions e também da ultima versão disponível do VirtualBox. Só assim é possível testar o Gnome Shell. Não se esqueça que a máquina host também precisa de ter o requisitos mínimos :P A maioria das máquinas com mais de 4 ou 5 anos não serão capazes de rodar o Gnome Shell. http://live.gnome.org/GnomeShell/FAQ

Depois de instalar o Fedora numa máquina virtual, faça "login" como root numa consola com a ajuda do comando "su", e atualize com o seguinte comando:

yum update


Depois de instalar as atulizações, instale os pacotes necessários para criar os módulos.

yum install kernel-headers kernel-devel gcc


Agora vá até a janela da máquina virtual clique em "dispositivos" -> "instalar adições de convidado".

A imagem iso do guest-additions vai ser "montada" na máquina virtual, e uma janela popup aparece para perguntar se pretende executar o script "autorun" que está dentro do CD.

Clique Ok e insira a password de root assim que for solicitada.

Se tudo correr bem irá aparecer um janela com um console que vai mostrando informações sobre o "processo". Aguarde até o script terminar e solicitar um "enter" para fechar a consola.

Agora basta um reboot e o Gnome Shell já estará disponível no Fedora 15 :)

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Teaser Nokia N9 com MeeGo

Será que é desta que vamos ter um Nokia com MeeGo?
Se for tão aberto e poderoso como o N900 será uma excelente máquina. O N900 não foi um super sucesso de vendas. Mas é uma máquina com muito potencial. E na minha opinião um dos melhores smartphones que já apareceu até hoje. :P
Depois da última parceria da Nokia com a MS, é até mesmo os rumores de uma eventual aquisição, eu já não tinha muitas esperanças de ver o MeeGo num Nokia.



Vamos aguardar pelas novidades.

sábado, 7 de maio de 2011

Lançado o Caixa Mágica 16 beta

Já está disponível para download o beta do Caixa Mágica 16, que tem como base a distribuição Ubuntu 11.04 - Natty Narwhal

Ao contrario do Ubuntu onde o Live CD tem o "compromisso" de apenas distribuir software open source, o Live CD do Caixa Mágica é mais "completo", porque já vem com software proprietário como flashplayer etc.
Para quem não conhece o Caixa Mágica, ele não é "mais uma remasterização" do Ubuntu.
O CM tem repositórios próprios (como sempre teve nas versões antigas), e continuará a desenvolver as suas ferramentas próprias, como por exemplo a funcionalidade de Rollback do apt, que o apt do Ubuntu não tem.

O Caixa Mágica 16 por omissão usa o "Gnome Clássico". É muito provável que continue assim na versão final. O Unity ficará no repositório, e poderá ser instalado apenas pelos interessados.

Só por curiosidade tentei instalar o Unity mas aparece um erro de "dependência não satisfeita" (deve ser um problema deste beta)
Mas tive sucesso com o Unity-2D


Também testei o apt-get rollback, e aparentemente está funcionando sem problemas :)

Aqui fica o link para quem quiser testar CM 16 beta.
http://ftp.caixamagica.pt/16/oficial/iso/

Esta viragem do Caixa Mágica para o "Mundo Debian" é sem dúvida uma das maiores mudanças realizadas na distribuição.

www.caixamagica.pt

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Os primeiros comandos no Ubuntu 11.04

Hoje é dia de lançamento do Ubuntu Natty Narwhal.
Uma das características do Ubuntu, é que a "imagem iso" não contém nenhum programa proprietário. Todos os programas que estão no Live-CD são open source.
Por isso, logo após a instalação do Ubuntu 11.04, poderá ser necessário instalar alguns programas e controladores proprietários como "driver" de placa de vídeo, flashplayer, codecs, etc...
Estes são na minha opinião os primeiros cinco comandos a utilizar, que irão providenciar um conjunto de pacotes muito úteis:

Para começar abra um terminal (ctrl + alt + t) ...

1) Agora execute o primeiro comando que vai atualizar a lista de pacotes :)

sudo apt-get update

2) Depois vamos adicionar os repositórios universe e multiverse com o seguinte comando (na verdade são dois comandos, que estão "juntos" :P ):

sudo software-properties-gtk -e universe && sudo software-properties-gtk -e multiverse

3) Use novamente o update para atualizar as "listas"

sudo apt-get update

)4 E agora sim, vamos utilizar o comando que vai instalar um meta-pacote com um conjunto de programas úteis (Java, flashplayer, etc...)
Durante a execução deste comando irá aparecer uma licença onde você tem de usar a tecla "tab" para "aceitar" os termos da licença.

sudo apt-get install ubuntu-restricted-extras

)5 Por fim, o comando que vai abrir um utilitário, que se encarrega de procurar drivers proprietários das placas gráficas, para melhorar o desempenho.

jockey-gtk &



Para finalizar, ative os controladores recomendados e faça um reboot.


:)

segunda-feira, 11 de abril de 2011

O Linux faz 20 Anos

Tudo começou em Abril de 1991, quando Linus Torvalds começou a escrever as primeiras linhas de código do Linux. Em Agosto do mesmo ano escreveu a famosa mensagem no "user grup" do Minix onde anunciou o seu sistema operativo criado apenas como "hobby"...

Hello everybody out there using minix -

I'm doing a (free) operating system (just a hobby, won't be big and professional like gnu) for 386(486) AT clones. This has been brewing since april, and is starting to get ready. I'd like any feedback on things people like/dislike in minix, as my OS resembles it somewhat (same physical layout of the file-system (due to practical reasons) among other things).

I've currently ported bash(1.08) and gcc(1.40), and things seem to work. This implies that I'll get something practical within a few months, and I'd like to know what features most people would want. Any suggestions are welcome, but I won't promise I'll implement them :-)

Linus (torvalds@kruuna.helsinki.fi)

PS. Yes – it's free of any minix code, and it has a multi-threaded fs. It is NOT portable (uses 386 task switching etc), and it probably never will support anything other than AT-harddisks, as that's all I have :-(.
—Linus Torvalds
Para comemorar os 20 anos a "Linux Foundation" criou este pequeno vídeo que conta a história do Linux.


É impressionante a evolução do Linux ao longo dos anos.
Vejam no que o "hobby" se transformou. Hoje o Linux está em todo o lado. Nos servidores de grandes corporações como Google, facebook, twitter, nos supercomputadores, na bolsa de valores de vários países , nos smartphones, em routers, televisões, electrodomésticos, etc...

O "menino" prodígio de 12 anos do comercial da IBM já tem 20 anos. E continua a crescer...


Outro comercial interessante é este da Red Hat que tal como o vídeo da IBM já tem alguns anos.

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Personalizando o Unity

Depois de ativar os repositórios universe/multiverse e instalar o driver proprietário da placa gráfica (veja como fazer isso no último post) use os seguintes comandos:

sudo apt-get install compizconfig-settings-manager


e abra o "compizconfig-settings-manager" com o comando:

ccsm &


Nota: Esta dica foi testada no Ubuntu 11.04 e 11.10.

Agora clique em "Ubuntu Unity Plugin" e explore as abas onde você poderá alterar várias propriedades do Unity. Entre elas...


  • Tamanho dos Ícones.
  • Definir se a barra se esconde automaticamente ou se permanece fixa.
  • Definir a transparência do painel.
  • Mudar a transparência do "fundo" de cada ícone
  • etc...


Também aconselho irem até ao Plugin "Expo", onde você tem acesso à algumas configurações como, "cores do gradiente de fundo", "tela curva" etc...


Resumindo... explore todas as possibilidades disponíveis do "Ubuntu Unity Plugin" no compiz.


A sua imaginação é o limite :)

Nota: As alterações feitas no plugin Unity, às vezes, são ignoradas no Ubuntu 11.10 Oneiric Ocelot. (é um bug que provavelmente será corrigido nas próximas actualizações)

Para aplicar as alterações sem ter de reiniciar o Ubuntu basta usar a combinação de teclas Alt + F2 e  digitar unity --restart .



quinta-feira, 7 de abril de 2011

Ubuntu 11.04 beta1 Unity Live-CD

Como testar o Unity num Live-CD? em algumas máquinas com placas gráficas Nvidia, o Unity não funciona no Live-CD. Só funciona com drivers proprietários. Eu ainda não sei se isto será algum bug da versão beta1)
O que fazer para contornar este problema?
Vamos ter de ativar os repositórios universe e multiverse para conseguirmos instalar os controladores oficiais da placa gráfica.

Após iniciar o Live-CD abra um terminal com a combinação de teclas ctrl + alt + t
e de seguida execute os seguintes comandos:

sudo apt-get update


sudo software-properties-gtk -e universe


sudo software-properties-gtk -e multiverse


sudo apt-get update


Depois utilize o comando jockey-gtk que vai abrir um utilitário que irá procurar pelos driver proprietários (aguarde um pouco)...

jockey-gtk &



Nota: As vezes não aparece logo a lista de controladores (drivers) disponíveis. Feche a janela do jockey e execute novamente o comando jockey-gtk para aparecer os controladores.

Seleccione o controlador (driver) recomendado e depois clique em ativar.

O problema dos controladores proprietários num Live-CD, é que depois da instalação é preciso reiniciar a máquina. Só que num Live-CD após um reboot todas as alterações são perdidas. Por isso não vamos fazer um reboot mas sim terminar a sessão para voltarmos para a tela de login do GDM. Assim o X "carrega" os drivers necessários sem precisar reiniciar a maquina. :)


Se tudo correu bem, após o login no GDM , já teremos acesso ao Unity. :)
Nota: Na tela de login ,deixe o campo da password em branco.


No próximo post vamos personalizar o Unity (Transparência; tamanho dos ícones; etc...) :)

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Testando o Ubuntu 11.04-beta1 com o Unity via Live-CD

Nível de dificuldade: Utilizador Médio/Avançado
Requisitos: Ubuntu (ou outra distribuição com grub2) e uma placa gráfica Nvidia. (Não sei se este método irá funcionar numa ATI).

A forma mais utilizada para testar uma nova versão do Ubuntu é através de uma máquina virtual. Mas nem sempre é a melhor opção, porque surgem sempre algumas incompatibilidades que nem sempre o "guest additions" resolve. O melhor e dar boot na própria máquina para conferir o desempenho com o hardware.
A melhor forma que encontrei para fazer isso foi usando o Grub2 para dar boot numa imagem iso. Assim não precisamos de gravar um CD ou utilizar uma penUSB.
Então vamos começar...

1) Fazer o download do Ubuntu 11.04-beta1 e guardar a imagem iso na pasta do utilizador (mais adiante você vai precisar de saber a localização da imagem iso).
Por exemplo:
/home/tuxmind/ubuntu-11.04-beta1-desktop-i386.iso

2)Depois temos de saber em que partição está instalado a raiz do sistema.
Use para isso o comando mount
Normalmente aparece logo na primeira linha a partição onde foi montada a raiz do sistema:
Exemplo:

/dev/sda7 on / type ext4 (rw,errors=remount-ro)

3)Agora abrimos o arquivo /etc/grub.d/40_custom com a ajuda de um editor de texto:

gksu gedit /etc/grub.d/40_custom


No final do arquivo adicionamos o seguinte...


menuentry "Ubuntu 11.04-beta - ubuntu.iso" {
set root=(hd0,7)
loopback loop /home/tuxmind/ubuntu-11.04-beta1-desktop-i386.iso
linux (loop)/casper/vmlinuz boot=casper iso-scan/filename=/home/tuxmind/ubuntu-11.04-beta1-desktop-i386.iso --
initrd (loop)/casper/initrd.lz
}


Não se esqueça de mudar o caminho para a imagem iso e indicar a partição onde foi guardada a imagem iso. (mudar o que está a negrito)
/home/USUARIO/ubuntu-11.04-beta1-desktop-i386.iso

No exemplo em cima o Ubuntu está instalado em /dev/sda7. Por isso a segunda linha ficou assim:
set root=(hd0,7)

Por exemplo, se você guardou a imagem iso na partição sdb3 então ficaria assim:
set root=(hd1,3)

Depois de você vertificar que colocou o caminho correto para a imagem iso, e indicou a partição correta, grave as alterações e feche o arquivo.
Agora faça um reboot e irá aparecer no menu do grub2, o "Ubuntu 11.04-beta - ubuntu.iso".
E pronto já pode testar o ubuntu 11.04beta "Live-CD" na sua máquina e verificar se existe alguma incompatibilidade. Aqui na máquina onde eu fiz o teste, eu não consegui usar o Unity. Só funcionava o "Ubuntu classic"


No próximo post vou mostrar como carregar os módulos da Nvidia que são necessários para testar o Unity através do "Live-CD". Porque aqui o Unity só funcionou com o driver proprietário da Nvidia. Eu não sei porque. Mas na máquina onde eu fiz o teste, o Unity não funcionou com driver open source.

Lembrando quem se for executar este tutorial faça por sua própria conta e risco.
Não se esqueça de deixar as suas dicas e sugestões nos comentários :)

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Debian Squeeze 6.0

Já está disponível a versão final do Debian squeeze 6.0
Destaque para a nova versão KDE 4.4.5, e também para a compatibilidade com o FHS v2.3 (Filesystem Hierarchy Standard) e LSB 3.2 (Linux Standard Base).

Algumas novidades do Debian 6.0 (fonte:www.debian.org):

  • KDE Plasma Workspaces and KDE Applications 4.4.5
  • an updated version of the GNOME desktop environment 2.30
  • the Xfce 4.6 desktop environment
  • LXDE 0.5.0
  • X.Org 7.5
  • OpenOffice.org 3.2.1
  • GIMP 2.6.11
  • Iceweasel 3.5.16 (an unbranded version of Mozilla Firefox)
  • Icedove 3.0.11 (an unbranded version of Mozilla Thunderbird)
  • PostgreSQL 8.4.6
  • MySQL 5.1.49
  • GNU Compiler Collection 4.4.5
  • Linux 2.6.32
  • Apache 2.2.16
  • Samba 3.5.6
  • Python 2.6.6, 2.5.5 and 3.1.3
  • Perl 5.10.1
  • PHP 5.3.3
  • Asterisk 1.6.2.9
  • Nagios 3.2.3
  • Xen Hypervisor 4.0.1 (dom0 as well as domU support)
  • OpenJDK 6b18
  • Tomcat 6.0.18
  • more than 29,000 other ready-to-use software packages, built from nearly 15,000 source packages.
Veja a página do anúncio oficial: http://www.debian.org/News/2011/20110205a

Quem tiver instalado o Debian GNU/Linux 5.0 (Lenny) poderá fazer o upgrade com o apt-get ou aptitude. Consulte o release notes para mais detalhes. http://www.debian.org/releases/squeeze/releasenotes

É como dizem... "Debian é Debian"
E o lançamento de uma versão final é sempre um grande acontecimento no mundo GNU/Linux :)

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Android Honeycomb Event

Android Honeycomb foi apresentado oficialmente ontem (02-02-2011).



Já está disponível no repositório do Android SDK, o package "SDK Plataform Android Honeycomb Preview, revision 1".

Para quem tem o Android SDK instalado (no Eclipse) é só abrir o Androi SDK and AVD Manager, e premir a tecla "Update All".
Depois em "available packages" marque o "SDK Plataform Android Honeycomb Preview, revision 1" e prima a tecla "Install selected"

Após a actualização é só criar um novo "virtual device" com o Android Honeycomb, para testar esta nova versão especialmente concebida para tablets.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Segurança no Android

O Android é seguro?
Como evitar problemas de segurança no Android?
Vou precisar de um anti-vírus no Android?
Como é que a Google sabe que os programas submetidos no Android Market são seguros?

Se estiver interessado nas respostas continue lendo este texto para esclarecer algumas dúvidas em relação à segurança do seu Android.
Nos últimos tempos apareceram algumas "noticias" de que o Android já foi alvo de vírus e "malware". O "mercado" Android não para de crescer. Por isso não é de estranhar que cada vez mais, apareçam empresas de "segurança" "alertando" contra os "perigos" do Android.

Não existe nenhum sistema operacional/operativo no Mundo que seja infalível. Todos os S.O. têm as suas falhas. E no Andrioid não é diferente. Mas acho que algumas empresas estão a exagerar. Estão a fazer uma tempestade num copo de água.

Eu considero o Android um sistema seguro.
Mas não adianta ter um sistema seguro se o utilizador não for cuidadoso. É preciso seguir algumas regras para manter o sistema seguro. Boas praticas de segurança, são mais eficazes que qualquer super-anti-vírus que alguém tenta vender. :)

A primeira regra é nunca instalar programas de fontes não oficiais. NUNCA MESMO! Instale sempre programas de uma fonte credível, ou seja, do Android Market. Por muito interessante que algum programa possa parecer, nunca instale um programa (apk) de outros sites. No Android existe uma opção nas configurações para permitir instalar programas de outras fontes, mas isso é apenas para casos especiais. Por exemplo: Um programa de uma fonte (site) que é de sua inteira confiança.
Mas se o programa for bom, e de confiança, não existe razão para o autor não enviar o programa para o Android Market. ;)

Mas... e se o "malware" estiver num programa que está no Android Market? Já existem mais de 100.000 aplicações. Como é que a Google "controla" todas essas aplicações?
A resposta está nas assinaturas digitais, e no arquivo AndroidManifest.
Um "malware" até pode ser instalado pela fonte oficial (ou seja pelo Android Market), isso não é impossível de acontecer, mas é pouco provável. Porque para submeter uma aplicação ao Android Market o autor do programa vai ter de se identificar. Todos os "apk" tem uma assinatura digital, que identifica o seu autor. Se o developer colocar algum código malicioso no programa, assim que o "esquema" for descoberto, o Google vai facilmente identificar o autor, e consequentemente agir judicialmente contra ele. Este sistema de certificados cria um relação de confiança entre Google, developers, e usuário.
Além disso todas as aplicações rodam numa máquina virtual, e cada VM tem a sua própria "user id", ou seja rodam numa "pasta isolada" e não podem aceder à "raiz" do sistema. Para o programa aceder à alguns serviços do sistema, o developer precisa de "pedir" permissão através do AndroidManifest. Sem isso a aplicação não poderá aceder à Internet, camera, lista de contactos etc...
É o AndroidManifest que também "avisa" quais as permissões que o programa precisa para ser instalado. Essa informação aparece no Android Market antes de você aceitar a instalação, e também pode ser consultada após a instalação (ir até: definições -> Aplicações -> Gerir Aplicações, escolha um programa e veja a lista de permissões em baixo).

Se o programa precisa de aceder à camera do smartphone, e o developer não colocar isso no AndroidManifest, o programa não vai conseguir ter acesso à camera através da API. O sistema não libera o acesso. É simples e eficaz.

Outra regra é verificar sempre as permissões de um programa do Android Market antes de instalar.
Por exemplo... se você quiser instalar um gestor de ficheiros/arquivos existem várias opções no Android Market. Compare os pedidos de permissão de um gestor de ficheiros/arquivos com outro. Não faz sentido que um gestor de ficheiros/arquivos tenha acesso à Internet (excepto se tiver uma funcionalidade para aceder a arquivos/ficheiros num ftp). Por isso o mais aconselhável é escolher e instalar o gestor de ficheiros/arquivos que precisa apenas de permissão para apagar e remover ficheiros.
Desconfie sempre de um jogo, que para ser instalado precisa de aceder à sua lista de contactos. É apenas um exemplo, não conheço nenhum jogo que exija isso porque, não faz sentido que um jogo precise de acesso à sua lista de contactos para funcionar. Por isso, antes de instalar verifique sempre as permissões. :)

Outro ponto crítico na segurança do Android é o "acesso root", que é um processo relativamente fácil de concretizar (é fácil encontrar na Internet documentação e tutorias para "ter acesso root"), mas não é recomendado a utilizadores que não fazem a mínima ideia do que estão a fazer. Quando você faz "rooting" ao sistema, as suas responsabilidades também aumentam. Maiores poderes administrativos sobre o sistema, implica maiores responsabilidades! Os cuidados devem ser redobrados!

Resumindo...
O Android é um sistema seguro, mas não existe nenhum sistema seguro à prova de "erros" humanos. :)
Se instalar apenas programas do Android Market, e verificar sempre quais as permissões que o programa precisa, o seu Android ficara sem dúvida muito mais seguro, e sobre o seu controle.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Caixa Mágica muda base para Debian

A próxima versão da distribuição Portuguesa "Caixa Mágica" (versão 16) irá mudar a "base" para Debian.
Veja o texto do anúncio oficial:
http://www.caixamagica.pt/pag/f_notc00.php?id=254
Há um pormenor interessante nesse texto no site da CM...

"A próxima versão da sua distribuição de Linux - a Caixa Mágica 16, prevista para Abril de 2011 - terá uma base Debian partilhando pacotes com Ubuntu e Mint"


Partilha de pacotes com o Ubuntu? Lançamento em Abril? Coincidência? Acho que não.

Em setembro de 2010 a CM e a Sybase promoveram um "Encontro Nacional sobre Tecnologia Aberta"
http://www.caixamagica.pt/Linux2010/
O evento contou com a presença de uma convidada "especial". A CEO da canonical Jane Silber.

Quando vi a newsletter da CM achei o convite à CEO da Canonical um pouco fora do contexto.
Agora ficou tudo claro, e está explicado o porquê do convite. :)

A CM começou a usar uma "base" SuSe Linux. Quando mudou para uma "base" Mandriva ficou muito melhor (na minha opinião). Só que ultimamente a Mandriva passou por várias crises, e quase acabou.
Mas agora com Debian a mudança vai ser mais "radical". Uma das funcionalidade interessantes da CM era o "rollback" que eles desenvolveram para o APT. Seria interessante ver essa funcionalidade num "Debian-like".

Mas a ironia desta notícia é que uma mentira de "1º de Abril" virou verdade LOL

Caixa Mágica é uma excelente distribuição. Essa mudança para Debian promete. Em abril de 2011 ficaremos a conhecer o resultado final.