terça-feira, 24 de novembro de 2009

Opera Unite

Nos dias que correm, muito se fala em "cloud computing", nuvem, etc... Até o Google com o Chrome OS veio consolidar ainda mais a ideia de que o futuro é a "nuvem"...
Será???
A Opera parece que tem uma ideia oposta.
Veja o vídeo onde a Opera "reinventa" a web...



Ok, eles até concordam em parte com a nuvem, mas defendem a ideia que as pessoas tem o direito de ter o "controlo" dos seus conteúdos na web. Para isso a Opera criou o Opera Unite.
Existem inúmeros serviços na web para partilhar imagens vídeos, etc... E porque não usar o seu browser como um servidor? É essa a ideia do Opera Unite. Com o Opera Unite você poder partilhar ficheiros directamente sem "intermediários", de uma forma simples e acessível.



Além disso o Opera é o melhor browser da actualidade. Eu sei... o Firefox é muito flexível devido as inúmeras extensões disponíveis. É por isso que eu uso o Firefox :) Mas reconheço que o Opera é melhor, e está à frente de todos os outros browsers. Experimente e verá a diferença. Uma coisa que me agradou no Opera foi o desempenho do Flash. Eu pensava que o fraco desempenho do Flash no Linux, era falta de empenho por parte da Adobe no desenvolvimento do plugin para o Linux. Mas a verdade é que o Firefox não está em perfeita "sintonia" com o Flash no Linux. Eu uso Ubuntu 64bit e pelo menos aqui na minha máquina, é visível que o Flash tem melhor desempenho no Opera. (Será que a culpa é do Ubuntu ou do Firefox?)
Eu utilizo muito software open source. E uma das características que mais gosto é a liberdade, e a possibilidade de podemos ver, e mexer no que está por "dentro". Mas não sou nenhum fundamentalista. E reconheço quando um software proprietário tem qualidade. E o browser Opera é um desses exemplos :)

www.opera.com

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Parceria Google Canonical

Já não é novidade, o Código fonte do Chrome OS já se encontra disponível.
Veja mais detalhes no blog oficial do Google Chrome.
http://googleblog.blogspot.com/2009/11/releasing-chromium-os-open-source.html

A surpresa é que a Canonical (que desenvolve o Ubuntu) vai ter uma participação activa no desenvolvimento do Chrome OS.
O Chrome OS vai ter componentes em comum com o Ubuntu. Mas os dois Sistemas Operativos (ou sistemas operacionais) tem propósitos distintos. O Chrome OS foi pensado para ser utilizado exclusivamente com aplicações web. Já o Ubuntu continuará sendo um SO "tradicional" de utilização geral, como aplicativos a rodar localmente.

A Google ganha com a experiência da Canonical no desenvolvimento de sistemas GNU/Linux. E não precisa de reinventar a roda.

A Canonical também sai a ganhar porque o Google com certeza terá parcerias com fabricantes. E as empresas que criarem dispositivos compatíveis com o Chrome SO do Google, também serão potencias parceiros OEM da Canonical. Como os dois sistemas irão ter, alguns componentes do SO em comum, logicamente irão funcionar no mesmo hardware sem problemas.

Veja o Anuncio oficial da Canonical.
http://blog.canonical.com/?p=294

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Recompilando o ffmpeg no Ubuntu 9.10

EDIT: (26 de maio de 2010) Veja aqui como compilar o ffmpeg com vp8

No Ubuntu 8.10 para ter suporte a x264, bastava adicionar o repositório do medibuntu. Mas no Ubuntu 9.04, o ffmpeg já não tinha suporte a x264 e aac.
Para solucionar o problema, recompilei o ffmpeg no Ubuntu 9.04.

Com a chegada do Ubuntu 9.10, tive de recompilar novamente o ffmpeg. Mas acontece que a nova versão do ffmpeg sofreu algumas alterações. Por exemplo : o --enable-libamr-wb mudou para --enable-libopencore-amrwb. E o pacote libamr-wb-dev mudou de nome para libopencore-amrwb-dev. (esse pacote é necessário para ter suporte a ficheiros 3gp que são usados em alguns celulares).

Então vamos começar:

Crie uma pasta temporária ffmpeg-install por exemplo.
Agora abra o console dentro da pasta e execute os seguinte comandos:

sudo apt-get purge ffmpeg x264 libx264-dev
sudo apt-get update

Agora vamos instalar as dependências:

sudo apt-get install build-essential subversion checkinstall yasm texi2html libfaac-dev libfaad-dev libmp3lame-dev libtheora-dev libxvidcore4-dev libsdl1.2-dev libvorbis-dev libopencore-amrwb-dev libopencore-amrnb-dev git-core libx11-dev libxfixes-dev zlib1g-dev

Baixando a última versão do o x264:

git clone git://git.videolan.org/x264.git

Agora entramos na pasta x264:

cd x264

Depois:

./configure

make

NOTA: no configure use o --enable-pic para compilar com suporte a 64bit.

./configure --enable-pic

Não Utilize essa opção caso o seu processador não seja 64bit.

Agora com a ajuda do checkinstall, vamos criar e instalar o nosso pacote deb :)

sudo checkinstall --fstrans=no --install=yes --pkgname=x264 --pkgversion "1:0.svn`date +%Y%m%d`-0.0ubuntu1" --default

E pronto. Já temos o x264, agora vamos ao ffmpeg.

Na mesma consola use o seguinte comando para voltarmos a pasta ffmpeg-install:

cd ..

Agora "baixamos" o ffmpeg:

svn checkout svn://svn.ffmpeg.org/ffmpeg/trunk ffmpeg

E depois:

cd ffmpeg
./configure --enable-gpl --enable-nonfree --enable-pthreads --enable-libfaac --enable-libfaad --enable-libmp3lame --enable-libtheora --enable-libx264 --enable-libxvid --enable-avfilter --enable-libopencore-amrnb --enable-libopencore-amrwb --enable-libvorbis --enable-x11grab --enable-version3
make

NOTA: use a opção --arch=x86_64 no configure se quiser optimizar para processadores 64bit

sudo checkinstall --fstrans=no --install=yes --pkgname=ffmpeg --pkgversion "5:0.svn`date +%Y%m%d`-12ubuntu3" --default

Repare que no comando do checkinstall tive de mudar o numero da versão de 4:0.svn para 5:0.svn, senão você acaba de compilar o ffmpeg e gestor de pacotes de seguida "reclama" que tem uma "nova" versão no repositório :P

E pronto! Já temos a última versão do ffmpeg com x264, aac e amr.

NOTA: O checkinstall criou um pacote deb dentro da pasta ffmpeg. Você pode usar o pacote deb para instalar em outras máquinas. :)

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Grub2

O Ubuntu 9.10 tem uma novidade. É o grub2.
Se você quiser alterar o menu do Grub2, o procedimento é diferente do Grub Legacy. O Grub2 já não tem o menu.lst.

Porque razão mudaram o Grub?

A Principal razão para isso, é a necessidade de adicionar novas funcionalidades.
Só que na opinião dos devenlopers, o Grub chegou a uma fase insustentável. Adicionar novas funcionalidades no Grub, é uma tarefa difícil de realizar por causa do código confuso, e por outras impossibilidades técnicas. Ou seja, para adicionar novos recursos no Grub, seria mais fácil escrever o código do zero.

Então quais as vantagens do Grub2?

Uma das principais vantagens do grub2 é que o conteúdo do menu, é automaticamente actualizado quando o kernel recebe updates.
Por exemplo:
No Ubuntu quando havia actualizações no kernel, após a "instalação" do novo kernel, aparece uma janela com algumas opções:
Usar o novo menu.lst?
Manter o menu menu.lst?
Ver diferenças entre os dois?
etc...
Se escolhermos a primeira opção ele adiciona um novo item no menu com o novo kernel, mas se você tiver outra distribuição Linux instalada , ele não consegue "ver", e não adiciona no novo menu.lst.
Se escolhermos a segunda opção ele mantém o menu.lst mas quando reiniciarmos a maquina ele vai continuar a dar boot no kernel antigo. A solução é editar manualmente o menu.lst.

Com o Grub2 esse problema fica resolvido. Porque o Grub irá adicionar ao menu a última versão do kernel que está disponível no seu sistema.
Mesmo que você escolha "manter a versão actualmente instalada" o update-grub vai listar o novo Kernel.


O /boot/grub/menu.lst é subistituido pelo /boot/grub/grub.cfg mas este não pode ser editado.

Então como editar o Grub2?


As alterações serão feitas no /etc/default/grub. Basicamente o que ele contém é um pouco parecido com o que se encontrava disponível na parte superior do arquivo /boot/grub/menu.lst. Sempre que o root editar o /etc/default/grub, é necessário executar o comando "update-grub" para que a nova configuração seja escrita no grub.cfg.

Estas são algumas opções que estão dentro do /etc/default/grub

GRUB_DEFAULT=0


Define qual a entrada "default" (por omisão). Tal como acontecia no "antigo" Grub, 0 (zero) é o primeiro item do menu, 1 será o segundo, etc..


GRUB_DEFAULT=saved


Esta opção serve para "guardar" a nossa última escolha no menu do Grub. Assim no proximo boot a ultima opção seleccionada passa a ser a "default" e assim sucessivamente.


GRUB_TIMEOUT=5


Já existia no Grub Legacy. A sua função se mantem. São os segundos em que o grub "espera" até carregar automaticamente entrada "default"
Se usar o valor -1 o Grub não da boot até que seja escolhida uma opção.

Para que serve a pasta /etc/grub.d/?

Os arquivos desta pasta serão lidos durante execução do comando "update-grub". Os scripts que estão nesta pasta são os responsáveis por escrever no arquivo /boot/grub/grub.cfg

Os ficheiros são executados por ordem crescente. Primeiro 00_ depois 05_ 10_ 40_ etc...
A ordem em que os scrips são executados vai definir a localização de cada item no menu.

Estes são os script que estão em /etc/grub.d/:

00_header

Este script é responsável por ler o que está escrito no /etc/default/grub.


05_debian_theme

A função deste scrip é configurar opções relacionadas com o aspecto do Grub (Imagem de fundo, cor do texto e temas)

10_hurd

Localiza kernels hurd.

10_linux

Localiza kernels Linux com base no comando "lsb_release -i -s" que retoma o nome da distribuição.

20_memtest86+

Se o arquivo /boot/memtest86+.bin existir, é adicionado como item do menu.

30_os-prober

Procura por outros OS's para adicionar no menu.


40_custom

É aqui que você deve adicionar novos itens no menu do Grub2. Não se esqueça de usar o comando update-grub após a alterações.

Vamos a um exemplo:

No Grub (antigo) eu adicionei uma distribuição com o nome de "Caixa Mágica"


title linux Caixa Magica 12
kernel (hd1,4)/boot/vmlinuz BOOT_IMAGE=linux root=/dev/hdb5 resume=/dev/hda2 splash=silent vga=788
initrd (hd1,4)/boot/initrd.img

Veja como fica no Grub2. Abrimos o /etc/Grub.d/40_custom e adicionamos no final do arquivo:


menuentry "Caixa Mágica 12" {
set root=(hd1,5)
linux /boot/vmlinuz BOOT_IMAGE=linux root=/dev/hdb5 resume=/dev/hda2 splash=silent vga=788
initrd /boot/initrd.img
}

Repare que o Grub2 reconhece as partições de forma diferente. O hd1,4 passou a ser hd1,5.
Se for um hd0,2 passa a ser hd0,3 etc...

Com o grub2 é possível dar boot de uma imagem iso que esteja guardada no disco. Você pode usar o loopback no Grub2 para "montar" a imagem iso :)
Veja um exemplo para dar boot numa imagem ISO:


menuentry "Ubuntu Live - ubuntu.iso" {
set root=(hd1,7)
loopback loop /ubuntu.iso
linux (loop)/casper/vmlinuz boot=casper iso-scan/filename=/ubuntu.iso --
initrd (loop)/casper/initrd.lz
}


Neste exemplo a imagem ISO do Ubuntu está na raiz ( / ) da partição hd1,7
E pronto! Feche o arquivo e para actualizar o Grub2 execute o comando update-grub.
No próximo boot as novas opções estarão disponíveis no Menu do Grub2.

Isto é apenas uma explicação básica, do Grub2.
Se quiser estudar mais a fundo o Grub2 recomendo a leitura das seguintes páginas:
https://help.ubuntu.com/community/Grub2
https://wiki.ubuntu.com/Grub2
Veja aqui uma lista de comandos do Grub Legacy, e do Grub2, e as suas diferenças:
http://grub.enbug.org/CommandList
Se você encontrou algum erro no texto, é só comentar para melhorar o texto :)

quarta-feira, 8 de julho de 2009

Google Chrome OS

Depois de muita especulação, e numa altura que o assunto já estava quase esquecido, a Google anunciou, que está desenvolvendo um SO .
O Google Chrome OS que será desenvolvido a pensar nos netbooks, será open source, e vai usar o Kernel Linux.
Veja o anúncio no blog oficial da Google.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Firefox 3.5

já estou usando o Firefox 3.5
A novidade que gostei mais, foi o suporte as novas tags video e audio do html 5. Fiz algumas páginas para testar esta nova funcionalidade, e gostei muito.
Vejam neste vídeo algumas das inúmeras possibilidades do html5.
E o melhor de tudo, é que tem suporte nativo ao formato livre Ogg.
Será que é o fim dos plugins nos browsers? O futuro dirá.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Ubuntu

No DVD da revista Exame Informática (edição Nº 167, de Maio de 2009), está disponível uma imagem iso do Ubuntu 8.10. (Logo hoje que sai a versão 9.04.) Mas compreende-se, porque provavelmente na altura do fecho da edição, só estaria disponível a RC do 9.04.

A revista, disponibilizou em edições anteriores, imagens iso de distribuições GNU/Linux no DVD. Mas sem fazer nenhum tipo de referência na revista. Por isso, foi uma surpresa agradável ver no suplemento "Soluções", um tutorial para criar uma pen drive de instalação do Ubuntu, e outro para instalar o Ubuntu através do wubi. O tutorial termina transmitindo a ideia que nas próximas edições haverá novas "aulas" sobre Ubuntu.

Também fiquei surpreendido, com uma pequena notícia na EI sobre software, com o titulo: "Wikipédia acaba com Encarta".
Esperem aí... será que li bem? Uma ferramenta grátis, e colaborativa sob a licença GNU/FDL acabou com uma ferramenta proprietária, e paga? Será que alguma coisa está a mudar?

Sem dúvida uma edição da EI que recomendo comprar.

Mais informação em: www.exameinformatica.pt

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Aplicar textura em objectos no Blender

Neste pequeno tutorial vou explicar, como criei esta pequena animação no Blender (v. 2.46).



1) Abra o Blender, apague o cubo, e insira um esfera:
add -> Surface -> NURBS -> Sphere
2)Seleccione a esfera (botão esquerdo do rato), e depois clique em "Material buttons" ou (F5)
3)Para criar uma nova textura clique no botão "Add New" que se encontra em "Links and Pipeline"



É criado uma nova textura com o nome de "Material.001"
4)Clique em Texture buttons (F6)
No painel "Texture" clique no botão "Add New".

Em "Texture type" selecione "image"


No "Image" selecione o botão "Load", que irá abrir um gestor de ficheiros, onde vamos seleccionar uma imagem para ser usada como textura.



6)Neste passo vamos definir o "map input", para que, a imagem do mapa acompanhe o movimento da esfera. Para fazer isso, seleccione novamente "Material buttons".



E no "map input" escolha "object". No campo "object" insira "SurfSphere" (que é o nome da esfera que criamos no primeiro passo.)



Agora á só gravar o movimento da esfera na "timeline".

7)Seleccione a "timeline", e escolha o valor 100 para o numero máximo de frames.
Agora temos que dividir essas 100 frames em 4 partes iguais, e "gravar" o movimento da esfera em apenas 5 frames. Precisamente nas frames 1, 25, 50, 75 e 100.



)8 Clique no botão "vermelho" para começar a "gravar" o movimento nas frames.



Seleccione a frame 1 e depois (ctrl + alt + R) para seleccionar a esfera com o "rotate manipulator mode". Agora mantenha a tecla crtl seleccionada, e rode a esfera (pela linha azul) -0.5 graus.



Não se esqueça de manter a tecla ctrl pressionada, para que a rotação seja mais precisa. Veja o valor no canto inferior esquerdo:




)9 Agora vamos repetir o passo anterior nas frames 50, 75, e 100. Só que desta vez o valor será -90 graus para cada um. O resultado será uma "volta" completa da esfera. Se o vídeo for exibido em loop, irá parecer que a esfera está sempre em rotação.

Mas ainda não esta perfeito. O movimento da esfera ainda não está linear.

10)clique em ctrl + "seta à esquerda" para mudar o layout do Blender.
Repare que em cima do lado direito, se encontra o "IPO Curve Editor"
Selecione a esfera e depois a linha "RotZ". No menu do "IPO Curve Editor" clique em Curve -> Interpolation Mode -> Linear T,2



11) Agora é so renderizar (F10). Por omissão, o vídeo será guardado na pasta /tmp (Linux).
Se quiser, pode altere a cor de imagem de fundo para preto, e adicionar estrelas na imagem de fundo, mudar a aposição da camera, mudar a luz, etc... Fica ao seu critério.

terça-feira, 14 de abril de 2009

segunda-feira, 23 de março de 2009

Seamonkey

Há uns dias atrás quando experimentei o Puppy Linux, eu tive um breve contacto com o Seamonkey, que é o navegador "default" do Puppy. Mas não sabia que este quase desconhecido browser é uma excelente opção. O Seamonkey está recheado de funcionalidades, é tem a vantagem de ser mais leve que o Firefox.
Fiquei surpreendido em saber que a maioria das extensões do Firefox também estão disponíveis para o Seamonkey. É o caso da popular extensão donwloadhelper. O Seamonkey até tem incluido um programa de email, um editor de páginas HTML, e um Livro de endereços. Também não sabia que a caixa de texto onde se insere a URL pode ser usada para pesquisa. Nas configurações é possível escolher qual o motor de pesquisa desejado, que por "default" é o Google.
Se você tem uma máquina antiga e acha que o Firefox esta ficando pesado, experimente o Seamonkey.

quinta-feira, 12 de março de 2009

Puppy Linux 4.1.2



O Puppy Linux está melhor. Eu testei a última versão e fiquei bastante satisfeito com a sua evolução. O Puppy é ideal para levar sempre numa pen usb ou num mini CD para qualquer lado. O sistema corre à velocidade da Luz necessitando apenas de 90 Mb para ser executado na Ram. Após o boot, você pode remover o cd ou a pen usb sem problemas que, o Puppy fica a correr na Ram. Imagine um computador com windo... que deixou de arrancar. Basta usar o Puppy, para recuperar os ficheiros ( fotos, músicas, documentos) copiando para uma pen usb ou gravando num CD.
O mais impressionante é o que com apenas 90 Mb o Puppy tem ferramentas para quase tudo. Ele agora também tem o hadinfo, que é um programa que dá uma informação completa sobre o hardware da máquina. Além de poder ler e escrever em partições ntfs, inclui um gestor de partições e diversas ferramentas úteis. Um verdadeiro "canivete suíço" que deveria acompanhar um técnico de informática. Outra característica fantástica do Puppy é a facilidade e rapidez com que se pode criar uma "remasterização". Existe um script, que trata de todo o processo. O número de programas e pacotes disponíveis também aumentou muito, desde a última vez que usei o Puppy.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Fedora e Oxygen

Sempre que instalo uma distribuição Linux, uma das primeiras coisas que eu faço, é personalizar o look ao meu gosto. No Ubuntu, é uma das primeiras coisas que faço. Vou logo ao gnome look, buscar novos temas gtk, ícones, etc... Eu gosto do Ubuntu mas, o tema que vem por "default" não me agrada muito.

Na semana passada, estive a experimentar o Fedora 10 com KDE 4 . Foi a primeira vez, que instalei uma distribuição Linux e não tive vontade de alterar nada no visual. Fiquei encantado, com o look deste Fedora. A Fedora esteve bem em manter o (Oxygen) no kde4. Foi uma escolha de bom gosto. O Nuno Pinheiro fez um excelente trabalho no Oxygen. Eu adorei o novo visual do KDE4.

Até o Kdm, do Fedora, me convenceu...


Gostos não se discutem, mas na minha opinião o Fedora é atualmente a distribuição mas bem conseguida esteticamente.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Fim do Kurumin NG

Depois de muitos boatos, já é oficial. O Kurumin NG chegou ao fim.

...Embora não tenha participado do desenvolvimento do Kurumin NG e ele tenha sido claramente anunciado como uma nova distribuição, sem relação com o Kurumin original, que desenvolvi até a versão 7, sou indiretamente responsável pelo projeto devido ao uso do nome "Kurumin". Devido a isso, não posso concordar com o descaso em relação aos usuários do sistema.

Tendo isso em vista, retiro formalmente o apoio ao projeto, e encerro qualquer vínculo relacionado a ele. O desenvolvimento de uma distribuição Linux é um assunto sério, que não deve ser conduzido de maneira irresponsável ou por simples vaidade

Carlos E. Morimoto
fonte: Forum guiadohardware

Leia nesta página as razões que levaram o Carlos E. Morimoto tomar essa decisão.

É uma pena que o Kurumin tenha chegado ao fim. Era uma excelente distribuição.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Ubuntu num LG S510

A máquina é um LG S510 que adquiri há cerca de 2 meses. O Ubuntu 8.10 reconheceu todo o hardware sem problemas. Excepto a webcam, mas não dever ser difícil de configurar (quando tiver tempo trato disso).
Estou usando a versão 64bit e até agora não tenho nada de mal a dizer. Eu ainda estive em duvida se instalava a 32 ou 64 bit por causa de muitas queixas que já li em foruns, de falta de estabilidade, e compatibilidade, mas parece que isso é coisa do passado, porque até agora não tive problemas.

CPU: Intel Core2 Duo T9400 2.53Ghz
LCD: 15.4" WXGA + LED LCD
Video: Nvidia Geforce 9600 GT DDR3 512MB
Memory: 4096MB DDR3
...